Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 27 de Janeiro de 2022

Policial

Empresa de MS dá calote de R$ 810 mil em jogo do Flamengo e foge do Ceará

O suposto calote foi divulgado pela mídia nacional, como no Lance.net e no Blog do Juca Kfouri, referência nacional de cobertura jornalística do futebol;

Campo Grande News

28 de Outubro de 2013 - 09:26

A empresa sul-mato-grossense responsável pelo jogo entre Portuguesa e Flamengo, no Castelão, em Fortaleza (CE), teria dado um calote de R$ 810.950,00 em empresários, federações e nos próprios clubes, segundo o Lance.net eo blog do jornalista Juka kfouri. Até um grupo de Mato Grosso do Sul, inclusive, está no Ceará tentando encontrar o responsável pela empresa para resgatar o prejuízo.

O jogo ocorreu neste domingo e terminou na Polícia Civil de Fortaleza. Pelo menos dois boletins de ocorrência foram registrados contra Fabiano Ribeiro Rodrigues, o Xaxá, o dono da Xaxá Produções, que promoveu o evento.

O calote foi confirmado pela Federação Cearense de Futebol e por empresários sul-mato-grossenses. A Federação vai divulgar hoje (28) nota de repúdio contra a empresa, com apoio dos dirigentes da Lusa. O suposto calote foi divulgado pela mídia nacional, como no Lance.net e no Blog do Juca Kfouri, referência nacional de cobertura jornalística do futebol;

Segundo a assessoria de imprensa da Federação Cearense, a Xaxá Produções não teria pago os custos do estádio (Arena Castelão), as Federações do Ceará e de São Paulo e parte do quadro móvel (funcionários). O próprio presidente da Federação, Mauro Carmélio, usou o Twitter para falar do calote.

“Faltou pagar as despesas normais do boletim financeiro. Ela pagou somente a alguns e, pelo que soube, fugiu inclusive do hotel”, afirmou Carmélio na rede social. A Polícia já foi acionada para investigar o caso.

Fabiano Ribeiro foi procurado pela reportagem diversas vezes no celular, mas não atendeu ou retornou as ligações. Também não foram encontrados para comentar as acusações Francisco Cezário e Marcos Tavares, respectivamente presidente e vice-presidente da FFMS (Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul).

Problema – Empresário sul-mato-grossense que investiu na partida, Marcos Yule é um dos que recebeu o calote da empresa.

“Eu e um grupo de empresários investimos R$ 230 mil na partida, que seria realizada em Campo Grande, mas aí ele (Xaxá) mudou o jogo para Fortaleza sem avisar nada”, afirmou Yule, que está no Ceará atrás do empresário, e registrou dois boletins de ocorrência sobre o caso.

Ainda conforme Yule, Xaxá não deu qualquer satisfação. Ele ainda tentou barrar a bilheteria do castelão, mas foi impedido pela Polícia Militar, que orientou que ele fosse até uma Delegacia de Polícia.

“Além do investimento, tem a questão da imagem nossa, que é ainda mais importante”, afirmou Yule, por celular, ao Campo Grande News, Outro empresário, Leonardo Jallad, também está em Fortaleza tentando reaver o investimento, segundo Yule.