Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 28 de Setembro de 2020

Policial

"Hulk" admite cotovelada em namorada que morreu com o pescoço quebrado

Principal suspeito alega que só soube que Graziele havia morrido quando corpo foi achado e o informaram que a polícia o procurava.

Campo Grande News

04 de Maio de 2020 - 16:14

Apontado como principal suspeito do assassinato de Graziele Quele Ferreira Gomes, de 39 anos, Edson Firmo Camargo, traficante conhecido como “Hulk”, também de 39 anos, admitiu que durante a briga, deu uma cotovelada na namorada. À delegada Fernanda Felix, da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), Edson alegou que, contudo, só soube que a mulher estava morta quando foi informado que a polícia estava procurando por ele.

Graziele, conforme concluiu a perícia, morreu em decorrência de uma fratura na coluna cervical, indicativo de que foi vítima de muita violência. Ela também tinha várias escoriações pelo corpo e muitos ferimentos no rosto.

Hulk contou em depoimento que passou o dia bebendo e quando chegou em casa, viu Graziele com um homem, cujo apelido é “Baixinho”. Ela teria afirmado que recebeu o conhecido para que os dois usassem drogas juntos. Foi então que o casal começou a discutir.

Edson Camargo relatou ainda que Graziele estava sentada no sofá e durante a briga, ele deu uma cotovelada no rosto dela. Hulk afirma que, nesta hora, a vítima caiu no chão, bateu a cabeça e sangrou muito pelo nariz. Tudo aconteceu na residência da Rua Falcão, no Bairro Morada Verde, que funciona como uma boca de fumo.

Ele saiu para pedir ajuda aos vizinhos. Um homem teria pedido “20 paradinhas” para resolver a situação, fazer com que Graziele “tomasse o rumo dela”. O traficante diz que “pagou” e foi embora para a casa da mãe.

Mesmo diante de todas essas circunstâncias, Hulk garante que só soube depois que a namorada havia morrido e o corpo havia sido encontrado enterrado em fossa. A polícia ainda investiga se é real o envolvimento de uma quinta pessoa no crime.

Ocultação de cadáver - O principal suspeito teve a prisão preventiva decretada em 2 de abril, mesmo dia que foi preso. Ele será indiciado pelo feminicídio e ocultação de cadáver. Yngrid Viviane Antunes dos Santos, Juciley Benites da Silva, travesti conhecida como “Gilsão”, e Rogério de Castro, apelidado de “Alemão”,  chegaram a ser presos e tiveram a liberdade provisória concedida pela Justiça, mas responderão por ajudar a ocultar o corpo.

Para a polícia, Alemão ajudou Hulk a carregar o corpo até a casa de Gilsão. Já Yngrid foi responsável por limpar a casa do suspeito.