Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 26 de Novembro de 2020

Policial

Integrante de bando que cavou túnel vai ser monitorada por tornozeleira

Eliane Goulart Decursio do Nascimento, de 36 anos, está em prisão domiciliar usando tornozeleira eletrônica

Campo Grande News

02 de Fevereiro de 2020 - 19:09

Presa em 22 de dezembro, suspeita de envolvimento com a quadrilha que planejou o furto à agência do Banco do Brasil, em Campo Grande, Eliane Goulart Decursio do Nascimento, de 36 anos, está em liberdade.

No pedido de liberdade a defesa alegou que a acusada é ré primária, tem uma filha de 10 anos e que a sua "suposta participação é de menor importância" em relação aos outros seis suspeitos presos. Eliane estava presa no Estabelecimento Penal Feminino "Irmã Irma Zorzi" e ganhou liberdade na última quinta-feira (30).

Furto milionário - Dois homens foram mortos e 7 pessoas presas durante flagrante na madrugada de domingo, dia 22 de dezembro de 2019. O grupo tentava furtar a central administrativa do Banco do Brasil, localizada na Avenida Presidente Castelo Branco, na região do Bairro Coronel Antonino, em Campo Grande. Cada um deles planejava faturar cerca de meio milhão de reais, com o dinheiro que encontrariam no cofre da agência, segundo a polícia.

Extremamente organizada, a quadrilha tinha além dos mentores, pessoas que exerciam as funções de projetistas e “tatus”, como eram chamada os homens que trabalhavam na escavação do túnel de 70 metros para chegar ao cofre da agência. Eliane Goulart é apontada como a contadora do grupo.

Foram denunciados pelo MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul Wellington Luiz dos Santos Junior, 28 anos; Lourinaldo Belisario de Santana, 51 anos; Robson Alves do Nascimento, 50 anos; Gilson Airis da Costa, 43 anos; Francisco Marcelo Ribeiro, 42 anos, Bruno Oliveira de Souza, 30 anos, e Eliane.

À época da prisão, ela disse ter vindo para a Capital à mando do esposo, Robson do Nascimento, mas negou envolvimento com o crime. Robson era quem dava as coordenadas sobre a escavação do túnel que levaria até o cofre do banco.

Ele foi preso numa das casas que a quadrilha locou em Campo Grande. Eliane é cabeleireira e também trabalhava na empresa do suspeito, a JR Construtora de Cuiabá, MT.