Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 12 de Maio de 2021

Policial

Lava a jato onde adolescente foi violentado é incendiado

Segundo policiais, o acesso ao estabelecimento é vulnerável. Apesar de ter portões, muro é baixo e cercado por quatro fios de aço.

Campo Grande News

08 de Fevereiro de 2017 - 07:29

O lava a jato onde adolescente, de 17 anos, foi violentado com compressor de ar na sexta-feira (3), foi alvo de incêndio supostamente criminoso na madrugada de hoje. O estabelecimento fica na Avenida Interlagos, na Vila Morumbi, em Campo Grande.

De acordo com Boletim de Ocorrência, era por volta das 3h45min quando bombeiros foram chamados e, após apagarem as chamas, constataram que o fogo começou no escritório do lava a jato e atingiu também banheiro.

Segundo policiais, o acesso ao estabelecimento é vulnerável. Apesar de ter portões, muro é baixo e cercado por quatro fios de aço. No local não há câmeras de segurança, porém há monitoramento em residências próximas. Imagens devem ser requisitadas a fim de tentar identificar autores.

Ainda no registro policial, foi destacado que o lava a jato atacado por incendiário é o mesmo onde crime de lesão corporal grave aconteceu contra adolescente e envolveu além do dono, funcionário do estabelecimento. Inquérito policial foi aberto para investigar o suposto incêndio criminoso.

CASO

O ato de violência contra o adolescente, de 17 anos, foi denunciado à polícia e levado a público no domingo (5). Dois jovens apontados como autores foram interrogados e declararam que tudo não passou de brincadeira. Conforme declarações, no dia do episódio, que resultou em grave lesão na vítima, o próprio adolescente teria iniciado brincadeira e insinuado que colocaria a mangueira no ânus do colega de trabalho, que segurou o rapaz para o dono “revidar”.

O adolescente teve o intestino perfurado e foi submetido à cirurgia para retirada de parte do órgão. Ele segue internado na Santa Casa e ontem o estado de saúde era estável, segundo o setor de comunicação do hospital. Os autores da violência foram liberados depois do interrogatório, mas responderão pelo crime de lesão corporal de natureza grave.