Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 24 de Outubro de 2020

Policial

Nas redes sociais, amigos e familiares manifestam indignação com morte de Rafael

Flávio Paes com informações do Campo Grande News

01 de Janeiro de 2014 - 21:30


A morte de Rafael Lopes Muniz, 22 anos, assassinado com um tiro na cabeça festa de réveillon em Sidrolândia, comoveu amigos e familiares. O rapaz faleceu na manhã de hoje (1), menos de um ano após a morte da mãe.

Rafael, que trabalhava como gesseiro, era apaixonado por futebol e pelo São Paulo. Ele morava no Conjunto Buriti, em Campo Grande.

“E o que fazer com essa falta que você deixou ? Não tem como descrever tanta dor”, lamentou Regiane Muniz, pelo Facebook, usado por amigos e familiares para expor a dor da perda. “A gente terminou a ano curtindo festejando e era pra começar o ano assim também, mas recebemos a noticia trágica da morte”, lembrou o amigo Elvin Pereira.

Rafael foi assassinado após uma confusão por volta das 3h40 na festa popular na Praça Porfírio de Brito. Segundo a versão da família, Rafael foi morto após sair em defesa de uma mulher grávida que estava sendo agredida pelo marido. Após defendê-la, ele foi perseguido pelo assassino, que o executou do outro lado da avenida. O suspeito do crime, identificado como Ramãozinho, está foragido.

O gesseiro foi a Sidrolândia para passar as festas de fim de ano onde o pai comprou uma casa há um ano. De acordo com a versão dos amigos, ele era dedicada e tinha perdido a mãe em decorrência de um infarto fulminante em fevereiro do ano passado.

“Quem diria que seria assim seu começo? De forma tão triste e dolorosa. Nada do que digam ou façam tira esse sentimento de dor, angústia e revolta que tomou conta de nossos corações em um dia que deveria ser de alegria. Você vai deixar muitas saudades meu primo. Você levou contigo um pedaço de cada um de nós. A essas horas você deve estar nos braços de sua mãe, que te fazia tanta falta”, postou Claudia Muniz.