Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 21 de Outubro de 2020

Policial

Nova geração de criminosos espalha terror na Colômbia

Os principais líderes da comunidade, ameaçados, estão sob proteção do Estado

Folha Online

24 de Dezembro de 2013 - 15:38

Considerados a terceira geração do crime organizado colombiano, os grupos Urabeños e Rastrojos travam uma disputa pelo controle de rotas de narcotráfico e de contrabando de gasolina, levando terror a comunidades que ficam na fronteira entre a Colômbia e a Venezuela. É o caso do povoado colombiano de Palmarito, a menos de 20 km do território venezuelano, que desde agosto vive sob o pulso do confronto entre integrantes dos grupos rivais.

Os assassinatos de ao menos cinco agricultores da zona levaram um grupo de mais de cem famílias  a abandonar suas casas, em setembro.

Os moradores se amotinaram em Cúcuta, capital do Estado de Norte de Santander, e exigiram policiamento para poder voltar à zona. Os principais líderes da comunidade, ameaçados, estão sob proteção do Estado. Quando a Folha visitou Palmarito, em novembro, os cerca de 500 moradores tinham retornado havia poucos dias. Tentavam reconstruir a rotina resguardados por 35 policiais, munidos de armas longas.

Arbel Porras Pabón, 42, gerente da cooperativa de marcenaria de Palmarito, contou que um dos seus sócios seguia desaparecido. "Falei com a mulher dele há três dias, e ela não tem nenhuma notícia até o momento."

Dias depois, foi confirmado que o sócio havia sido assassinado.

São 54 famílias na cooperativa, que agora vai se expandir usando as sobras de madeira e de serragem em uma unidade produtora de adubo orgânico, projeto que conta com a ajuda do CICV (Comitê Internacional da Cruz Vermelha). "Vamos continuar aqui. A decisão de retornar foi comunitária", diz Porras Pabón, a respeito da segurança na área.

Mas nem todos em Palmarito têm a convicção de permanecer, especialmente porque não é garantido que a polícia ficará após dezembro. A acusação frequente de que moradores são informantes de um dos lados da disputa coloca a comunidade sob uma ameaça permanente. "Se os policiais forem embora, não vamos ficar", conta Virginia Suárez, 36, cujo marido, Sixto Martín, e o filho Jeferson, 18, foram feridos por acaso em meio a um tiroteio entre os narcotraficantes em agosto.

Sixto Martín levou um tiro que atingiu a ligação nervosa de um de seus braços. Dono de uma criação de porcos e sócio da marcenaria comunitária de Palmarito, ele chora ao pensar no futuro porque a mão já não responde a seu comando. "Meu temor é que me vejam assim e me matem, pensando que sou um deles."