Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 28 de Novembro de 2021

Policial

OAB quer Polícia Federal na investigação da execução de advogado

Ele pretende também que a Secretaria de Segurança do MS solicite ao Ministério da Justiça o reforço da Polícia Federal nas investigações.

OAB/MS

02 de Agosto de 2013 - 07:29

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Marcus Vinicius Furtado, decidiu nesta quinta-feira solicitar ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que designe a Polícia Federal para ajudar nas investigações do assassinato a tiros do advogado Paulo Magalhães, ocorrido em Campo Grande, dia 25 de junho último, na porta de uma escola em que fora pegar o filho.

O advogado, inscrito na Seccional da OAB-MS, era proprietário do site “Brasil Verdade” que denunciava casos de corrupção envolvendo autoridades do Judiciário, Executivo e Legislativo no Estado.

O presidente da Seccional da OAB-MS, Júlio Cesar Souza Rodrigues, acompanhado do diretor tesoureiro da entidade, Jayme da Silva Neves, se reuniu com Marcus Vinicius Furtado, a quem relatou o caso, atualmente investigado pela Polícia no Estado.

Ele solicitou ao ministro da Justiça que a PF participe das investigações em torno da morte de Paulo Magalhães, que era também delegado aposentado e professor universitário. Para Julio Cesar, o crime foi “ato de execução (pistolagem) porquanto a vítima era autora de inúmeras denúncias contra diversas autoridades em nosso estado”.

Segundo ele, a OAB "considera inadmissível que fique impune esse bárbaro crime, perpetrado à luz do dia em pleno centro de Campo Grande”.

Julio Cesar Rodrigues requereu providências enérgicas para a elucidação do crime também às ministras da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e dos Direitos Humanos, Maria do Rosário; ao governador do Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, bem como ao secretário estadual de Segurança e ao procurador-geral de Justiça do Estado.

Ele pretende também que a Secretaria de Segurança do MS solicite ao Ministério da Justiça o reforço da Polícia Federal nas investigações.