Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 18 de Setembro de 2020

Policial

Pastor torturou vítima por 7 horas para forçá-la a confessar suposta traição

Homem mandava amante sair, mas não havia ninguém na casa

Campo Grande News

13 de Março de 2020 - 15:08

Após colher depoimento da vítima, na madrugada desta sexta-feira (13), o pastor Jesus Dalnivo Coelho Gorgs, 40 anos, será indiciado também pelo crime de tortura, além de cárcere privado, ameaça, divulgação de cenas de pornografia e registro não autorizado de intimidade sexual. Inicialmente, o caso havia sido enquadrado como lesão corporal.

Segundo a delegada Maíra Pacheco, que assumiu o caso, madrugada adentro, a mulher narrou que o pastor ficou ciumento e agressivo depois que ela passou por cirurgias estéticas, em janeiro deste ano.

Na noite anterior ao caso, ela e Gorgs foram a uma festa com casal de amigos da mesma congregação religiosa. A dupla dormia na casa da vítima como forma de dar suporte, pois o relacionamento enfrentava problemas.

Na manhã seguinte, ontem (12), o pastor trancou a porta do quarto quando a mulher começava a se arrumar para ir trabalhar, por volta das 8h. Jesus Dalnivo Gorgs ainda tomou o celular da vítima. Foi quando começaram as agressões e sessões de tortura, interrompidas só às 15h pela polícia.

Agressões - O pastor deixou a vítima nua e cortava mechas do cabelo dela. Segundo a delegada, as agressões, cortes no cabelo e filmagens configuram tortura, pois tinham intenção de humilhar e arrancar confissão de suposta traição - negada pela mulher.

O casal de amigos estava na casa e disse à polícia que tentaram abrir a porta do quarto e negociar com o homem. Sem sucesso, foram até a janela do quarto, mas o pastor estaria irredutível. Gorgs começou a gravar vídeos e fazer transmissões ao vivo pelo Facebook.

Em depoimento, o casal expôs que o pastor mandava o suposto amante deixar a residência. Os amigos respondiam que não havia ninguém na casa.

Pelas câmeras de videomonitoramento interno da casa, o pastor acompanhou toda a ação dos policiais.

A vítima revelou que Gorgs tinha comportamento depressivo e usava medicamento controlado. Ela disse que pretende se separar.

Marcas - A mulher apresentava hematomas pelo corpo, principalmente nos seios. O casal de amigos admitiu o comportamento agressivo do pastor.

A tesoura usada para cortar o cabelo da mulher e ameaçá-la foi apreendida pela polícia. Uma substância, similar a um comprimido ou pedra, também acabou recolhida e passará por perícia.

Outros integrantes da igreja onde Jesus Dalnivo Gorgs era pastor serão ouvidos durante as investigações.

Preso ontem, no bairro Giocondo Orsi, o pastor passou por audiência de custódia na manhã de hoje e está preso preventivamente. Em depoimento, negou os crimes e disse que a vítima o dopava. Gorgs ainda acusou a esposa de ter trancado os dois no quarto e atribuiu a ela a autoria dos vídeos divulgados.