Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 18 de Abril de 2021

Policial

PMA prende turistas paranaenses que adulteram lacre de um frízer para transportar peixes ilegalmente

Os policiais abordaram os turistas na BR 262 em Miranda e verificaram que os parafusos da porta do frízer estavam mexidos

PMA/MS

27 de Outubro de 2014 - 08:37

Policiais Militares Ambientais de Miranda (MS) receberam denúncias, ontem à tarde, de que turistas paranaenses, da cidade de Santa Amélia, a 55 de Curitiba (PR), que estavam em um veículo Chevrolet S10 teriam adulterado o lacre efetuado pela PMA do Posto de Buraco das Piranhas, localizado na BR 262, no Passo da Lontra, em Corumbá (MS), em um frízer com pescado e adicionado diversos peixes fora da medida permitida por lei. Os policiais abordaram os turistas na BR 262 em Miranda e verificaram que os parafusos da porta do frízer estavam mexidos.

A equipe removeu o lacre e encontrou cinco exemplares de cachara medindo 66, 66, 66, 69, 70 cm, pesando 13 kg, cinco exemplares de pintado medindo 71, 71, 73, 74, 74 cm, pesando 17 kg, dois exemplares de pacu medindo 40 e 42 cm, pesando 3 kg, todos os exemplares fora das medidas estabelecidas por lei, visto que respectivamente a medida legal de captura para a espécie cachara é de 80 cm, do pintado 85 cm e do pacu 45 cm.

O pescado legal que havia sido lacrado era 67 kg. Inicialmente os turistas tentaram negar o crime, afirmando que o policial havia lacrado o pescado ilegal, no entanto, em seguida resolveram confessar que haviam retirado os parafusos da porta do frízer, aberto um espaço sem romper o lacre, e colocado o pescado ilegal para burlar a fiscalização. 100 kg de pescado e o veículo, um barco, uma careta reboque, um motor de popa e todos os petrechos de pesca foram apreendidos.

Os infratores, de 31, 47, 51 e 53 anos, receberam voz de prisão e foram conduzidos, juntamente com o material apreendido, à Delegacia de Polícia Civil de Miranda, onde foram autuados em flagrante por crime ambiental e saíram depois de pagar fiança. Se condenados poderão pegar pena de um a três anos de detenção. Cada infrator foi autuado administrativamente e recebeu multa de R$ 2.040,00, perfazendo um total de R$ 8.080,00. O pescado será doado para instituições filantrópicas da cidade.