Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 28 de Novembro de 2021

Policial

Polícia de MS investiga golpe de R$ 5,4 milhões e 6 são indiciados

A informação é do delegado Valmir de Moura Fé, da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Defraudações (Dedfaz).

G1 MS

06 de Agosto de 2013 - 15:31

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul investiga um golpe de R$ 5,4 milhões praticado contra uma multinacional. O dinheiro, que deveria cair nos cofres da empresa, foi parar na conta de um grupo de Campo Grande e seis pessoas foram indiciadas. A informação é do delegado Valmir de Moura Fé, da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Defraudações (Dedfaz).

De acordo com a autoridade policial, em abril de 2012 a multinacional prestou serviços para outra empresa e emitiu quatro boletos para pagamentos que totalizaram R$ 5,4 milhões. As dívidas foram pagas, porém o dinheiro não foi para a conta correta. “O código de barra apontava outra conta e outro banco. Foi adulterado”, afirma o delegado. O golpe começou a ser investigado em junho do ano passado.

Conforme ele, o montante foi destinado a uma conta de uma pessoa jurídica com sede em Campo Grande. Várias pessoas foram chamadas para prestar depoimento, entre elas os proprietários da empresa que ficou com o dinheiro e o responsável pela contabilidade. “Eles disseram que o dinheiro era de uma venda que tinham feito à rede. Os advogados contestaram e mostraram que não foi feita a compra”, fala Moura Fé.

Segundo o delegado, a empresa da Capital depositou o dinheiro em outras 32 contas de pessoas físicas e jurídicas de, entre localidades, São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza (CE). Mas, a Polícia Civil conseguiu bloquear as contas antes que todo o montante fosse utilizado.

Diante da situação, o contador, quatro proprietários da empresa e o dono de um galpão que foi locado pelos comerciantes foram indiciados pelo crime de furto qualificado. Policiais estiveram no endereço do comércio e lá encontraram somente o imóvel, sem nenhum produto que os empresários alegaram vender.

Para o delegado, os estelionatários interceptam informações de boletos de pagamentos, alteram o código de barras e com isso conseguem desviar para outra conta o dinheiro.