Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 22 de Julho de 2024

Policial

Polícia identifica jovem morta e diz que o crime foi a mando do namorado

Everton Rodrigues, 28 anos, confessou o crime à polícia e afirmou que o motivo foi passional, de acordo com o delegado

G1 MS

20 de Setembro de 2012 - 10:17

A execução de Darlen Hellen de Souza, 38 anos, identificada pela polícia como a mulher morta a tiros em uma estrada vicinal de Campo Grande, foi ordenada pelo namorado dela de dentro do Presídio de Segurança Máxima, conforme informou nesta quarta-feira (19) o titular da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios), Edilson dos Santos Silva.

Everton Rodrigues, 28 anos, confessou o crime à polícia e afirmou que o motivo foi passional, de acordo com o delegado. Em depoimento, Rodrigues disse que descobriu traição da vítima no domingo (16) enquanto recebia visita dela na penitenciária, por isso resolveu matá-la.

Ao G1, o suspeito não quis falar sobre o caso. “Só falo perante ao juiz, não tenho nada a declarar”, afirmou.

O corpo de Darlen foi encontrado na manhã da última segunda-feira (17) na estrada de acesso ao aeroporto Santa Maria, próxima ao macroanel rodoviário, região do bairro Itamaracá, sudeste da cidade. Na ocasião, a perícia averiguou que ela foi morta com três disparos na cabeça, nas costas e na mão.

Segundo Silva, a identificação da vítima foi mais difícil porque ela era de Cuiabá. “A partir da identificação pelas impressões digitais, foi possível ver que ela fez visita para o Everton na Máxima. Ele confessou que tomou a decisão de matá-la e usou celular para dar ordem de execução para um comparsa”, explicou.

Para atrair Darlen, Rodrigues teria dito para ela pegar um dinheiro com o comparsa, conforme o titular da DEH. No encontro, o suspeito levou a vítima para a estrada onde cometeu o crime.

O delegado disse que o objetivo agora é encontrar quem fez os disparos. Segundo ele, o inquérito policial deve ser concluído em até 30 dias.

Antecedentes

Segundo a Polícia Civil, a vítima respondia por vários crimes em Mato Grosso, Paraná e São Paulo. Por conta de roubos em território paulista, Darlen ainda tinha dois mandados de prisão em aberto. Ela tem um filho que está preso em Amambai, a 342 km de Campo Grande, por tráfico de drogas desde julho deste ano.

Ainda de acordo com a polícia, o namorado da mulher cumpre pena na Máxima também por tráfico de drogas e já foi processado anteriormente por homicídio doloso e porte ilegal de arma.