Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 26 de Outubro de 2021

Policial

Polícia investiga morte de idoso por hipotermia em Campo Grande

Segundo o delegado Devair Aparecido Francisco, da 4ª Delegacia de Polícia Civil, a principal hipótese é que o idoso tenha morrido por hipotermia.

G1 MS

25 de Julho de 2013 - 15:00

A Polícia Civil investiga o caso de um idoso, de 73 anos, que morreu na manhã de quarta-feira (24) após dormir na calçada de um bar localizado no bairro Rita Vieira, em Campo Grande. Segundo o boletim de ocorrência, Luiz Virgulino da Silva chegou a ser socorrido e levado para o posto de saúde do bairro Tiradentes, mas não resistiu.

Segundo o delegado Devair Aparecido Francisco, da 4ª Delegacia de Polícia Civil, a principal hipótese é que o idoso tenha morrido por hipotermia. “Ele foi encontrado sem camisa e embriagado, isso pode ter agravado a condição física dele”, explicou o delegado.

Em Campo Grande, os termômetros registraram 5,5°C na madrugada de quarta-feira, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A sensação térmica foi de - 8°C.

Ainda segundo o delegado, foi instaurado um inquérito para investigar o caso. O laudo do exame necroscópico, feito pelo Instituto de Medicina e Odontologia Legal (Imol), deve ficar pronto em 30 dias.  "O laudo vai apontar as causas da morte", disse o delegado.

O idoso foi encontrado já desacordado pela proprietária do estabelecimento, que preferiu não ter a identidade divulgada. Ao G1, ela relatou que Luiz Virgulino da Silva estava no bar desde a manhã de terça-feira (23) e que, por volta das 19h30, quando decidiu encerrar o expediente, o idoso se recusou a ir embora e permaneceu no local com mais dois amigos. “Eu falei pra ele voltar pra casa porque estava muito frio, mas eles não quis me ouvir”, lamentou a proprietária.

Após ser avisado pela proprietária do bar, o filho da vítima, Carlos da Conceição, levou o pai até o posto de saúde do bairro Tiradentes.

Sepultamento

O idoso foi sepultado na manhã desta quinta-feira (25), no cemitério Santo Amaro, em Campo Grande.

Conceição lamentou a morte do pai. Ele contou que foi separado dele quando criança e voltou a reencontrá-lo há quatro anos. "Quando eu encontrei meu pai ele era andarilho na região do Rita Vieira", contou.

O idoso passou a morar com o filho no bairro. "Meu irmão e eu fizemos de tudo para ajudá-lo. Providenciamos documentação e aposentadoria, e trouxemos ele para morar com a gente”, explicou o filho. Conceição relatou ainda que o idoso era alcoólatra e que costumava dormir na casa de amigos.