Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 25 de Janeiro de 2022

Policial

Policial matou ex-mulher com cinco tiros; ele foi reabilitado em julho

Uma estudante da escola contou que a mulher nunca falou do ex-marido e trabalhava há mais de oito anos na cantina da Mace.

Campo Grande News

28 de Outubro de 2013 - 16:57

O policial civil Marlon Robin de Melo, 36 anos, matou a ex-mulher e funcionária da cantina da Mace, Márcia Holanda, com cinco tiros de pistola calibre .40. Antes da tragédia, ele foi numa floricultura e mandou flores e um coração para a ex-esposa. O policial foi reabilitado pelo Conselho Superior da Polícia Civil em julho deste ano.

Conforme a Polícia, Márcia foi atingida com cinco disparos de arma de fogo, sendo um tiro na cabeça e quatro na altura do peito. Logo após ele se suicidou com um tiro na cabeça. O crime ocorreu no estacionamento localizado na esquina das ruas 13 de Maio e 26 de Agosto, no Centro de Campo Grande.

Ele estava com revólver calibre 38 na cintura. No entanto, conforme a Polícia, só foram encontradas capsulas de pistola .40 no local do crime. A arma ainda não foi localizada.

Melo é policial civil e foi reabilitado pelo Conselho Superior da Polícia em 10 de julho deste ano. Por maioria, foi aprovada a reabilitação da pena de suspensão por 60 dias. Há dois anos, Melo se envolveu em uma briga no trânsito e foi parar na Delegacia. Ele também foi homenageado pela Polícia Civil.

Policial matou ex-mulher com cinco tiros; ele foi reabilitado em julhoRonda – Segundo um amigo de Márcia, o policial vivia rondando a escola. Não foi a primeira vez que ele foi ao local nesta segunda-feira (28). A funcionária da cantina tinha uma motocicleta e estava indo embora, quando encontrou o ex-marido esperando por ela no estacionamento onde costumava deixar o veículo enquanto trabalhava.

O casal terminou e só retornou após o policial civil se internar em uma clínica psiquiátrica. No entanto, após ele desistir do tratamento, Márcia rompeu novamente o casamento. Não conformado com o fim do relacionamento, ele insistiu em reatar e sempre a perseguia, conforme relato de colegas do trabalho dela.

Para conquistar a ex-esposa, ele enviava presentes e vivia na cantina da escola. Márcia ainda contava aos amigos que não acreditava que o ex-marido pudesse fazer algo de ruim contra ela.