Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 25 de Maio de 2022

Policial

Presos fogem após ferirem policial e sindicato fala em

Investigador levou golpe na cabeça e teve traumatismo craniano. Delegado diz que operação está sendo realizada para capturar 5 suspeitos

G1 MS

23 de Novembro de 2015 - 07:09

A Polícia Civil realiza uma operação especial para capturar os cinco presos que fugiram da delegacia de Itaquiraí, a 395 quilômetros de Campo Grande. A fuga ocorreu neste sábado (21), no momento em que iria ser entregue a jantas dos 21 detentos que estavam no local. Diante ao fato, o sindicato diz que esta é uma "tragédia anunciada" e que faz parte de uma "luta histórica" da categoria. Ao todo, o presidente Giancarlo Mirando, disse ao G1 neste domingo (22), que investigadores custodiam 800 presos em delegacias do estado.

"A fuga e tentativa de rebelião de presos em delegacias já aconteceu em Água Clara, Ponta Porã, Chapadão do Sul, Ivinhema e diversos outros municípios de Mato Grosso do Sul, somente neste ano. É uma tragédia que estamos anunciando há mais de seis anos, um desvio de função do policial, já que custodiar preso é papel de agente penitenciário. Enquanto isso, eles ficam em celas improvisadas, sem segurança e sem os seus direitos garantidos. Aliás, o preso tem muito mais garantias do que os próprios policiais" comentou o presidente do Sinpol/MS.

Para os próximos dias, Miranda ressaltou que está convocando uma assembleia com a categoria.

"Se não tivermos uma contrapartida por parte do governo do estado, podemos tomar uma medida mais drástica, como uma radicalização. São ao todo 800 presos em delegacias e muitos permanecem lá justamente porque o processo tramita na mesma cidade. Como exemplo desta situação insalubre temos Ponta Porã, que hoje está com 43 presos, sendo que a capacidade máxima é de oito detentos", avaliou o presidente.

Esposa da vítima, a funcionária pública de 34 anos comentou que o marido foi gravemente ferido na cabeça e passará por cirurgia nesta segunda-feira (23). "Ele falou que foi servir a janta e a delegacia possui uma estrutura com uma porta de metal, no qual você não vê os presos. Eles então serraram uma grade e ficaram atrás da porta, aguardando o meu marido. Quando abriu, foi surpreendido com um pedaço daquele ferro e ferido com um golpe, que o fez desmaiar na hora", disse ao G1 a esposa.

O próximo a ser rendido era o homem que levou a comida até a delegacia. Ainda conforme a esposa, o investigador atua em Naviraí e só tirou plantões naquele município por conta do déficit de policiais.

"Eles pegaram a chave do carro dele e fugiram. Foi quando o homem conseguiu entrar em contato com o socorro e o meu marido foi socorrido. Ele está sonolento por conta da medicação e se recuperando do traumatismo craniano", garantiu a esposa.

Ação especial
Segundo o diretor da Polícia Civil, Roberval Rodrigues, policiais da Delegacia Especializada de Repressão à Roubos, Assaltos e Sequestros (Garras), além do Departamento de Departamento de Operações da Fronteira (Defron) e investigadores da Itaquiraí e Naviraí participam da ação.

"Por ser uma região muito próxima da fronteira, geralmente os suspeitos atravessam para o outro lado e aguardam um período, para abaixar a poeira. Em seguida, eles tentam retornar para as suas cidades. Mas nós estamos em contato com todas as forças policiais e iniciamos a operação imediatamente, assim que o fato ocorreu. Até o momento ninguém foi capturado", finalizou o delegado.