Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 18 de Setembro de 2021

Policial

Professor que acompanhou briga na frente de escola nega ter incentivado violência

Quanto a possível investigação que seria feita pela Secretaria da Educação, o professor afirmou que não sabia de nada, pois não teria sido comunicado sobre o assunto.

Midiamax

13 de Setembro de 2013 - 14:56

O professor de artes da Escola Estadual José Ferreira Barbosa, Almadi (não forneceu o sobrenome), que aparece no vídeo tentando apartar a briga que terminou na morte de Luana Vieira Gregório, esteve hoje na DEAIJ (Delegacia Especializada no Atendimento a Infância e Juventude) para prestar depoimento.

Mesmo alegando que somente conversaria com o delegado que o intimou, o professor deixou escapar que sua participação foi apenas para tentar evitar que a briga aumentasse. Chegou a ser comentado por alguns alunos que ele teria incentivado a luta entre as meninas. “Eu nunca faria isso”, limitou-se a dizer.

Quanto a possível investigação que seria feita pela Secretaria da Educação, o professor afirmou que não sabia de nada, pois não teria sido comunicado sobre o assunto.

Outro professor, Alex, de matemática também esteve na delegacia, mas afirmou que não sabia o motivo de ter sido convocado. Devido a intimação para que os dois comparecessem à delegacia, as aulas na escola José Ferreira Barbosa foram paralisadas às 9h desta sexta-feira (13), mas para o período vespertino a programação está mantida.

O delegado Gomides Ferreira Neto está ouvindo familiares e colegas de Luana Vieira Gregório que foi morta após se envolver em uma briga com uma outra Menor (D) de 16 anos de idade e Dafne Alves de Lima (Tutty), 18 anos de idade. Os fatos foram registrados na manhã de quarta-feira (11), em frente à escola, depois de um desentendimento entre as menores na sala de aula.