Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 16 de Abril de 2024

Policial

Suspeitos tem envolvimento na morte de Marielly, diz promotora

Eles estão presos por força de mandado de prisão temporária expedido pela juíza da Comarca de Sidrolândia, Dra. Sílvia Eliane Tedardi.

Franciane Trindade/Região News

15 de Julho de 2011 - 16:22

Suspeitos tem envolvimento na morte de Marielly, diz promotora
Suspeitos tem envolvimento na morte de Marielly, diz promotora - Arquivo Pessoal

A promotora de Justiça Paula Volpe, representante em Sidrolândia do Ministério Público Estadual, que trabalha na acusação aos suspeitos Jodimar Ximenes e Hugleice da Silva, no Caso Marielly Barbosa, disse nesta sexta-feira (15), que tem indícios suficientes que comprovam o envolvimento dos dois suspeitos detidos na morte de Marielly Barbosa Rodrigues de 19 anos.

Eles estão presos por força de mandado de prisão temporária expedido pela juíza da Comarca de Sidrolândia, Dra. Sílvia Eliane Tedardi.

“O MPE está convencido da culpa de Hugleice e Jodimar no crime que levou a morte de Marielly”, disse a promotora. Paula explica que o inquérito da Polícia Civil mostra que há ligações telefônicas entre o enfermeiro Jodimar Ximenes Gomes, 40 anos, residente em Sidrolândia, e o gerente administrativo Hugleice da Silva, 28, cunhado de Marielly, feitas antes e no dia do desaparecimento da jovem, no dia 21 de maio.

A Dra. Paula declarou que o prazo de 30 dias previsto no mandado, será importante para que a polícia colha depoimentos dos suspeitos e busque mais elementos para o inquérito, se houverem.

Além das informações obtidas a partir da quebra do sigilo telefônico dos suspeitos, consta no inquérito o relato de uma testemunha, que disse ter visto Marielly e o cunhado, em uma caminhonete, estacionada na frente da casa de Jodimar Gomes, no dia do desaparecimento.

Paula Volpe diz que a investigação ainda deve delimitar a participação do enfermeiro e do gerente na morte de Marielly. Por enquanto, os dois já poderiam ser indiciados por ocultação de cadáver. Gomes e Silva ainda podem responder por aborto seguido de morte ou homicídio.