Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 4 de Dezembro de 2020

Policial

Três são condenados a 189 anos de prisão por triplo homicídio em Dourados

De acordo com a polícia, eles torturaram e cada vítima teria levado dois tiros na cabeça

Dourados Agora

22 de Agosto de 2014 - 10:37

Os três homens julgados acusados de participação no assassinato de José Helio Louvandoski Toniazo, 50 anos, Maicon Helio Marques Louvandoski, 24, e Manuel Leal Araújo, 37, em setembro de 2010 em um pesqueiro na região do Jardim Guaicurus, foram condenados a 189 anos de prisão nesta quinta-feira (21) em Dourados, a 225 quilômetros de Campo Grande.

Dirceu Vasques foi condenado a 63 anos e nove meses; Iedson da Silva Graça, o "Zé Goré", a 63 anos e Marcos Aurélio da Silva, conhecido como “Marquinhos”, a 72 anos e três meses de reclusão; este último está foragido desde a época dos crimes. O empresário, Júnior de Souza Pereira será julgado separadamente. Segundo a Justiça, ele está sendo acusado de ser o mandante dos crimes.

Eles foram denunciados por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Os números refletem a somatória das três condenações em primeira instância, decididas por volta das 20h30, e divulgada duas horas depois pelo juiz César de Souza Lima, após decisão do júri popular.

Caso

OS réus estão envolvidos no assassinato das três pessoas em setembro de 2010. Após o crime, eles enterraram os corpos que só foram encontrados mais de dois meses depois do crime, nos dias 17 e 18 de novembro, já em avançado estado de decomposição.

De acordo com a polícia, eles torturaram e cada vítima teria levado dois tiros na cabeça. Informações policias apontam que Maicon e Manuel teriam ligações com o tráfico de drogas e José Hélio foi morto porque estava na companhia do filho no dia do crime.

Segundo o MPE (Ministério Público Estadual), Marcos e Júnior, com a ajuda de Iedson e Dirceu, atraíram as vítimas para a empresa de um dos acusados onde armaram a emboscada. Também o MPE acusa os dois de manter negócios ilícitos com uma pessoa identificada como Acácio, de quem seriam credores de dívidas decorrente do tráfico de drogas e também financiamento de veículo.