Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 28 de Fevereiro de 2024

Policial

Vereadora de Ponta Grossa que sumiu forjou sequestro, diz polícia

A ausência da vereadora acabou suspendendo a votação. Alguns parlamentares se negaram a dar início à eleição, sem a presença da colega.

G1

03 de Janeiro de 2013 - 13:54

A vereadora de Ponta Grossa, Professora Ana Maria (PT), que desapareceu após a posse, na terça-feira (1º), foi presa em flagrante ainda nesta quarta-feira (2), por falsa comunicação de crime. Segundo a polícia, ela forjou o próprio sequestro.

De acordo com o delegado Luíz Alberto Cartaxo, que integra o Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Grupo Tigre), especializado em resgate de reféns, Ana Maria e mais quatro pessoas - que segundo as investigações tiveram participação na fraude - serão denunciadas por falsidade processual, falsa comunicação de crime e formação de quadrilha. Com exceção de um dos suspeitos, todos estão detidos. “É intenção da polícia mantê-los preso até o julgamento”, disse o delegado.

Ana Maria, que foi eleita para o terceiro mandato nas eleições de outubro de 2012, sumiu por volta das 18h depois de sair do Cine Teatro Ópera, onde foi realizada a cerimônia de posse dos vereadores, prefeito e vice-prefeito eleitos. Do teatro, ela deveria ter ido para a Câmara Municipal para participar da eleição da Mesa Diretora, mas não apareceu.

A ausência da vereadora acabou suspendendo a votação. Alguns parlamentares se negaram a dar início à eleição, sem a presença da colega. Na tarde desta quarta-feira, a vereadora apareceu na Santa Casa de Misericórdia, demonstrando-se atordoada. Ela recebeu atendimento médico e foi transferida para o Hospital Regional da cidade. Ainda nesta quarta-feira, a polícia prendeu um assessor de Ana Maria.

Conforme divulgado pela polícia, a vereadora está detida no Hospital Regional da cidade e a voz de prisão foi dada indiretamente, já que Ana Maria está sedada e incapaz de prestar depoimento. “Tão logo ela reúna condições médicas, será levada a unidade policial para prestar esclarecimentos”, explicou Cartaxo. Para impedir qualquer tentativa de fuga, dois policiais fazem a escolta da vereadora, que ainda não tem advogado constituído.