Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 6 de Dezembro de 2021

Política

André quebra mistério e diz apoiar Nelsinho Trad para o governo em 2014

No entanto, na prática, todos sabem que a indicação passará pelas mãos do governador que é o principal articulador político do partido em Mato Grosso do Sul.

Willams Araújo

14 de Agosto de 2013 - 13:25

O governador André Puccinelli (PMDB) resolveu nesta quarta-feira (14) quebrar o grande mistério que o rodeava sobre suas preferências em torno da sucessão estadual do ano que vem, ao garantir apoiar o ex-prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad, como candidato de seu partido ao governo de Mato Grosso do Sul.

A garantia foi dada pela manhã durante ato de inauguração de uma unidade do Hospital do Câncer de Barretos, na Capital, local onde ele também revelou defender a indicação da vice-governadora Simone Tebet para concorrer ao Senado.

Na verdade, ser senadora sempre foi o grande sonho de Simone sob o argumento de dar continuidade ao trabalho de seu pai, Ramez Tebet, morto em novembro de 2006, no Congresso Nacional.

Contudo, os nomes dos candidatos do PMDB aos cargos majoritários só devem ser anunciados em meados de setembro deste ano pelo comando regional do PMDB, a quem o próprio governador incumbiu à atribuição.

“Meu voto em 2014 é do Nelsinho”, declarou André ao ser abordado por jornalistas que cobriam o ato de inauguração da unidade hospitalar, deixando transparecer que seu desejo é permanecer no cargo até o último dia de seu mandato.

Teoricamente, o candidato peemedebista será escolhido por uma comissão criada pelo próprio governador, integrada pelo deputado estadual Júnior Mochi, presidente da executiva regional, pelo senador Waldemir Moka e pelos dois pré-candidatos Nelsinho e Simone.

No entanto, na prática, todos sabem que a indicação passará pelas mãos do governador que é o principal articulador político do partido em Mato Grosso do Sul.  Para analistas, André Puccinelli usa de estratégia para escapar de eventuais críticas a partir do anúncio oficial do representante do partido que concorrerá à sua sucessão.

“Eu não vou ser responsabilizado por acerto na escolha ou por erro na escolha. “O quarteto é que vai dizer quem vai seguir”, afirmou o governador durante entrevista à imprensa em abril deste ano logo após ato de assinatura de convênios visando  repasses de recursos do FIC (Fundo de Investimentos Culturais) aos municípios.

Apesar da nova postura adotada pelo governador, o PMDB continua dividido entre Nelsinho e Simone. Também há setores que defendem publicamente apoio à candidatura do senador Delcídio do Amaral (PT) com o partido indicando o candidato a vice e ao Senado.

Além dos pré-candidatos do PMDB e do PT, o PSDB estuda a possibilidade de disputar o governo em 2014 com o deputado federal Reinaldo Azambuja, que também pensa no Senado.