Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 22 de Setembro de 2021

Política

Azambuja sinaliza união com PT e PSB e vislumbra palanque dividido em 2014

Questionado sobre a pluralidade de palanques para os presidenciáveis, uma vezx que cada partido deve lançar um candidato a vaga da presidente Dilma Roussef, Azambuja simplificou a questão.

Midiamax

06 de Setembro de 2013 - 13:54

O deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou que seu partido vem mantendo conversas com o PSB em pelo menos 10 estados do Brasil e que em MS os socialistas estariam engajados no projeto tucano Pensando MS. Já sobre o PT, Azambuja destaca que as conversas entre as executivas procuram apenas um jeito de fechar essa aliança.

De acordo com o deputado, o PSB está participando do projeto tucano Pensando MS, que pretende mapear as necessidades dos sul-mato-grossenses para formular uma proposta de governo. “Antes do nome que vai ser o nosso candidato é preciso discutir o projeto político que queremos”, afirma.

Já sobre o PT, Azambuja avalia que ao contrário do que algumas pessoas dizem , não é impossível a união. “As executivas dos partidos estão em conversas constantes para tentar fechar essa aliança. Essa dicotomia está muito mais em relação ao PT e PMDB, que tem mais ódio do que amor entre eles, do que o PSDB com o PT”, disse.

Questionado sobre a pluralidade de palanques para os presidenciáveis, uma vezx que cada partido deve lançar um candidato a vaga da presidente Dilma Roussef, Azambuja simplificou a questão.

“É possível dentro da lógica de um projeto político em comum para o Estado de MS, ter um palanque do PT para a Dilma (Roussef), do Murilo para o Eduardo (Campos) e nosso para o Aécio (Neves)”, explicou.

As eleições de 2014 contam até o momento com dois pré-candidatos ao governo de MS, que são Delcídio Amaral (PT) e Nelsinho Trad (PMDB). Sucessivas declarações públicas de Azambuja tem dado conta que seu partido não se sente contemplado em uma união com os ex-aliados do PMDB, colocando-a como impossível. Já Murilo, líder do PSB, em recente entrevista ao Midiamax, negou estar fechado com PMDB e disse que Nelsinho precisa atrair aliados de peso para se tornar efetivamente candidato.