Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 17 de Janeiro de 2021

Política

Com campanha em 32 cidades, Enelvo acredita que fica entre os 3 mais votados na coligação de Reinaldo

Enelvo diz que esta fazendo campanha para obter 30 mil votos, atuando em 32 municípios, mas com presença mais forte em 12 da região sudoeste.

Flávio Paes/Região News

04 de Setembro de 2014 - 09:56

Praticamente ausente de Sidrolândia nas últimas semanas, o ex-prefeito Enelvo Felini, que ontem à noite visitou a Exposição Agropecuária, não só acredita na sua eleição para deputado estadual como mostra confiança de que ficará entre os três mais votados na coligação do PSDB que deve eleger, segundo ele, cinco ou até seis candidatos a Assembléia Legislativa.  

Enelvo diz que esta fazendo campanha para obter 30 mil votos, atuando em 32 municípios, mas com presença mais forte em 12 da região sudoeste, onde faz dobradinha com o candidato a deputado federal Márcio Monteiro. Em Campo Grande, o ex-prefeito mostra confiança na obtenção de seis mil votos.

A estratégia de Enelvo para Sidrolândia é concentrar sua campanha nos últimos 15 dias, quando pretende colocar sua “tropa” de choque na rua para segundo ele, ter a maior votação na cidade, superando seu adversário histórico, o ex-prefeito Daltro Fiuza, que  também disputa uma vaga na Assembleia.

- Se a eleição fosse hoje, provavelmente, o Daltro teria uma dianteira de mil votos. Esta situação vai mudar com a reta de chegada. Espero ter entre cinco e oito mil votos na cidade -, avalia o candidato tucano que preferiu trabalhar em outros municípios nesta fase da campanha  “até porque já sou conhecido em Sidrolândia”.

Sobre o quadro sucessório estadual, Enelvo está convencido de que o deputado Reinaldo Azambuja, vai par ao segundo turno com o candidato do PT, Delcídio do Amaral e tem grandes chances de vitória. “A candidatura do Reinaldo está crescendo porque representa este anseio do eleitor por renovação. Há um certo cansaço da população com o PT, em nível nacional, e o PMDB, no estado”, destaca o ex-prefeito. “Este sentimento de mudança já foi expresso em 2012, quando Campo Grande elegeu o Bernal, muito embora o Azambuja fosse o mais preparado”, conclui.