Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 29 de Novembro de 2021

Política

Contratação de petistas para integrar a CPI da Saúde causa polêmica

A CPI decidiu que seria preciso contratar dois peritos de saúde, dois de direito e dois auditores contábeis e financeiros.

Campo Grande News

07 de Agosto de 2013 - 13:30

A contratação de assessores para auxiliar nos trabalho da CPI da Saúde da Assembleia está gerando polêmica. O principal ponto da discórdia é a indicação de petistas pelo presidente da comissão, o deputado estadual Amarildo Cruz (PT).

A possível formação de um “cabide” de empregos na CPI foi contestada por Amarildo. Ele destacou que as contratações eram necessárias e foram feitas de forma “transparente”. “Uma acusação absurda, foram contratados técnicos que a comissão tem previsão legal para fazer, esta assessoria montada tem a intenção de contribuir para formação do relatório final”, destacou ele.

O presidente da Assembleia, o deputado estadual Jerson Domingos (PMDB), destacou que confia no trabalho da CPI e que por se tratar de uma investigação mais “complexa” é normal que haja mais gastos e uma equipe maior de trabalho. “Esta CPI é diferente, não é comum como as outras, ela precisa buscar elementos para dar suporte à investigação”, ressaltou.

Já o deputado estadual, Lauro Davi (PSB), que integra a comissão parlamentar, salientou que fez indicações de alguns nomes para compor a equipe técnica, porém o presidente decidiu por outros. “Foi uma decisão da presidência que temos que aceitar”, apontou.

A CPI decidiu que seria preciso contratar dois peritos de saúde, dois de direito e dois auditores contábeis e financeiros. O único pré-requisito para contratação era não ter vínculo com as unidades de saúde investigadas ou com o poder público.