Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 26 de Novembro de 2021

Política

De olho na sucessão de André, PMDB prepara mega-encontro em Campo Grande

Durante esse grande encontro, que reunirá lideranças de todos os municípios do Estado, a cúpula regional deve anunciar os nomes de seus candidatos ao Governo e ao Senado

Willams Araújo

06 de Agosto de 2013 - 07:26

De olho na sucessão do governador André Puccinelli, o PMDB de Mato Grosso do Sul planeja promover um mega ato político em Campo Grande, em setembro, como parte do calendário de encontros regionalizados que está sendo cumprido desde o mês de maio deste ano.

Durante esse grande encontro, que reunirá lideranças de todos os municípios do Estado, a cúpula regional deve anunciar os nomes de seus candidatos ao Governo e ao Senado em 2014. O ato político ocorrerá logo após a série de encontros que o partido vem promovendo em cidades estratégicas a fim de discutir, entre outros assuntos, os rumos das eleições do ano que vem.

O presidente do diretório regional, deputado estadual Júnior Mochi, esteve reunido nesta segunda-feira, na sede do partido, com os demais membros da executiva para definir o cumprimento do calendário de eventos.

O próximo compromisso dos peemedebistas será no dia 24 deste mês na cidade de Ivinhema, seguido de mais dois encontros em Rio Brilhante e Três Lagoas, que ainda não tem data definida.

Pela estratégia, esses encontros servem também para que as lideranças municipais apontem as necessidades de suas regiões, tracem metas e apresentem sugestões a serem inseridas na plataforma de governo do partido.

O primeiro encontro do PMDB ocorreu em maio na cidade de Bodoquena, dando sequencia aos atos políticos em Coxim e Amambaí, em junho e julho, conforme o calendário estabelecido pelo comando partidário.

O PMDB ainda está indeciso em relação ao seu candidato ao governo, isso porque a vice-governadora Simone Tebet e o ex-prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad, atual secretário extraordinário de Articulação, Desenvolvimento Regional e dos Municípios, disputam a indicação.

Ainda abalado pelo fato de ter perdido uma hegemonia de mais de duas décadas em Campo Grande nas eleições municipais do ano passado, o PMDB selou um pacto de união visando o confronto com o PT, seu maior adversário político em Mato Grosso do Sul, em 2014.

O pacto foi fechado entre os dois pré-candidatos do partido, durante o 1º encontro regional ocorrido em Bodoquena.  Na prática, o compromisso é que quem ficar fora da disputa para o governo estadual apoiará o correligionário que for indicado candidato à sucessão do governador André Puccinelli. 

“Eles são nossas principais lideranças, resta apenas decidir quem vai concorrer a cada cargo”, disse Mochi em entrevista na Capital, referindo-se a Simone e Nelsinho, que, além do Governo, estão sendo lembrados para concorrer ao Senado na eventualidade de André decidir mesmo continuar no cargo até o fim do seu mandato.

ADVERSÁRIOS

Os prováveis adversários do PMDB são o senador Delcídio do Amaral (PT), que já se movimenta em torno da sucessão estadual, e o deputado federal Reinaldo Azambuja, que estuda entrar na disputa motivado pelo projeto nacional do PSDB, que pensa em eleger o senador Aécio Neves (MG) sucessor da presidente Dilma Rousseff.  Na semana passada, o presidente regional do PTB, Ivan Louzada, alardeou o desejo do partido em concorrer ao governo do Estado.