Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 27 de Novembro de 2021

Política

Delcídio diz que é cedo para avaliar Bernal, mas avisa que ninguém governa sozinho

Delcídio explica que não é fácil vencer os 20 anos de administração do PMDB e que neste caso a saída é ampliar as alianças, “sem medo de ser feliz”.

Midiamax

16 de Agosto de 2013 - 13:39

O senador Delcídio do Amaral (PT) ainda está cauteloso quando o assunto envolve o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP). Questionado sobre a situação do prefeito, que corre risco de ser cassado na Câmara, o senador disse que é cedo para fazer avaliação, mas aconselhou o prefeito a atrair aliados.

Delcídio explica que não é fácil vencer os 20 anos de administração do PMDB e que neste caso a saída é ampliar as alianças, “sem medo de ser feliz”. O senador evitou detalhar a polêmica que envolve um possível pedido de cassação do prefeito, optando por aconselhá-lo a conversar mais. “Quanto mais gente do lado dele, mais sucesso vai ter. Sem medo de ser feliz”, orientou.

O senador analisa que o prefeito optou por uma postura mais independente, o que não acha certo. “Poderia usar muito mais. Ninguém governa sozinho. Tem que ampliar. A vida é assim”, analisou. Apesar da crítica a independência , o senador diz que torce pelo sucesso da administração.

“É uma decisão dele. Assumiu uma postura independente, que a gente compreende. Espero que caminhe bem. O Bernal indo bem, a gente fica contente”, concluiu, ressaltando que a bancada federal pode ajudar ainda mais.

O senador Delcídio do Amaral participou diretamente da conquista de aliados para Bernal no segundo turno em Campo Grande. Partiu do senador, inclusive, a ideia de lançar vários candidatos para minar as forças do PMDB, com acordo de união no segundo turno.

A aliança deu certo e, unidos, os partidos que lançaram candidatos no primeiro turno derrubaram a hegemonia do PMDB em Campo Grande. Esta não é a primeira vez que o senador aconselha o prefeito a ouvir aliados. Ele chegou a propor um conselho político para orientar Bernal, mas a proposta não decolou.