Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 3 de Dezembro de 2021

Política

Deputados admitem aproveitar prazo e trocar de partido até outubro

Osvane Ramos, que assumiu a vaga de Diogo Tita, destacou que já recebeu convites tanto do PSDB como do PDT, e que se sentiria “confortável” nas duas legendas.

Campo Grande News

18 de Setembro de 2013 - 14:30

Alguns deputados admitiram que podem trocar de partido até o dia 6 de outubro, data limite para novas filiações partidárias para eleição de 2014. Entre eles estão os deputados Lídio Lopes (PP) e Osvane Ramos (PT do B). Eles afirmaram que podem concorrer por outras legendas na eleição do ano que vem.

Osvane Ramos, que assumiu a vaga de Diogo Tita, destacou que já recebeu convites tanto do PSDB como do PDT, e que se sentiria “confortável” nas duas legendas. No entanto, ainda vai analisar melhor a proposta. “Não gostaria de sair do PT do B, mas se houver imposição ou decisão de cima para baixo para as alianças de 2014, prefiro procurar outro local, o partido precisa respeitar seu estatuto e ouvir todas as possibilidades”, afirmou ele.

Ramos é contra a continuação da parceria com o PMDB, sem que haja espaço para ouvir outros partidos como PT e PSDB. “Temos que ter autonomia, se não tiver não compensa”, destacou. O deputado Mário Fernandes (PT do B) já declarou que existe uma parceria firmada da direção estadual do PT do B com o PMDB e que não haverá mudanças em 2014.

“Estou esperando o presidente me chamar para decidirmos o que vai acontecer”, afirmou Osvane. De acordo com ele, caso saia do PT do B irá tentar manter sua vaga na Assembleia até o ano que vem. “Tem que analisar no cenário nacional para saber quantos deputados perderam mandato por mudar de partido”, ponderou.

Decidido – Já o deputado estadual Lídio Lopes (PP) não tem dúvida que vai trocar de partido até o dia 6 de outubro, ele voltou a afirmar que está mais próximo do PEN (Partido Ecológico Nacional), no entanto destaca que qualquer alteração na legislação eleitoral pode mudar seu rumo. “Estou mais perto do PEN, porém se trata de um partido novo e pequeno, ou seja, tenho que ter certeza se vou ter boas condições na eleição do ano que vem”, ressaltou.

Lídio irá deixar o PP, após a direção estadual do partido anunciar sua expulsão por infidelidade partidária. Apesar de recorrer na executiva nacional, o deputado destaca que não há mais “clima” para permanecer na legenda enquanto o prefeito Alcides Bernal (PP) estiver lá.