Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 27 de Novembro de 2021

Política

Deputados pedem alteração em projeto de ferrovia para contemplar Três Lagoas

Os deputados querem fazer a alteração no primeiro trecho, pedindo que o trajeto da ferrovia seja alterado quando ela vem de São Paulo

Campo Grande News

16 de Agosto de 2013 - 16:00

Os deputados estaduais e a prefeita de Três Lagoas, Márcia Moura (PMDB), estiveram hoje na audiência pública sobre a ferrovia EF-267, para solicitar a mudança no seu percurso em Mato Grosso do Sul para que esta possa passar pelos municípios de Selvíria e Três Lagoas. A proposta será encaminhada pelo secretário estadual Edson Giroto ao governo federal.

Bernardo Figueiredo, presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL) vinculada ao Ministério dos Transportes, destacou que a proposta será avaliada e que devido à “flexibilidade” do projeto esta alteração pode ser feita por meio de ramais de ligação. “Já visitei Três Lagoas e conheço sua capacidade industrial, poderemos abrir esta exceção em função do ganho produtivo real do local, esta ampliação seria de 100 km no máximo”, destacou ele.

Percurso - A Ferrovia Norte e Sul vai cruzar o país irá passar por Mato Grosso do Sul tendo duas saídas para escoamento. Na primeira, ela vem do Estado de São Paulo entra pelo município de Brasilândia e segue pelas cidades de Santa Rita do Pardo, Bataguassu, Nova Andradina, Angélica, Deodápolis, Dourados e Maracaju. Depois segue para Mundo Novo com direção ao Estado do Paraná, chegando ao porto de Paranaguá.

Os deputados querem fazer a alteração no primeiro trecho, pedindo que o trajeto da ferrovia seja alterado quando ela vem de São Paulo, entrando pela cidade de Aparecida do Taboado para que sejam incluídos os municípios de Selvíria e Três Lagoas para depois seguir seu rumo. “Esperamos que ela passe pela ponte de Três Lagoas, e atenda a região, não faz sentido deixar de fora este local onde estão as duas maiores fábricas de celulose do mundo e a ainda uma fábrica da Petrobras de fertilizante”, explicou o deputado Eduardo Rocha (PMDB).

Ele destacou que a ferrovia deve contemplar estas fábricas, já que o grande objetivo é diminuir o custo da produção e do frete e possibilitar o desenvolvimento da região por meio deste escoamento mais rápido e barato. “O (Edson) Giroto já está terminando o estudo sobre o projeto e vamos enviar ao governo federal na segunda-feira, esta alteração é vital para nosso Estado”, destacou ele.

A prefeita de Três Lagoas, Márcia Moura, também ressaltou que caso não haja a mudança “quem perde é o Estado e o país”, já que seu município possui um potencial industrial indiscutível. “Já deveria estar incluído no projeto inicial, se foi feito um estudo logístico eles sabem da produção em Três Lagoas, nós fazemos diferença no PIB nacional”, apontou ela.

Moura enfatizou que saiu mais “tranquila” da audiência, já que o presidente da EPL se comprometeu a fazer uma visita a sua cidade. “Ele irá marcar uma reunião em Três Lagoas para discutir o caso o que me deixa aliviada, já que seria uma perda irreparável para o município”, completou.

Sugestão – O senador Delcídio do Amaral (PT) afirmou que o projeto pode ter alterações, já que esta em fase de implantação. “Pode ser mudado o traçado ou estender um ramal, o show só acaba quando termina, é inegável a importância de Três Lagoas”.

Projeto – A ferrovia EF-267 que será um braço da Ferrovia Norte/SUL terá sua licitação de concessão para administração e construção feita em outubro deste ano e com previsão de início das obras no segundo semestre de 2014 e finalização até 2019.

Em Mato Grosso do Sul o investimento gira em torno de R$ 11 bilhões, possibilitando ao Estado duas saídas de escoamento da produção, uma pelo Estado de São Paulo e a outra em direção ao Estado do Paraná.

Este valor terá 70% financiado pelo BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) e 30% com capital privado. O projeto irá integrar o Estado com o restante do país e com países do Mercosul. A obra faz parte do Programa de Investimento e Logística do governo federal anunciado no dia 15 de agosto de 2012, que chegará R$ 91 bilhões em 25 anos.