Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 21 de Outubro de 2020

Política

Disputa pela reeleição na Câmara enriquece alguns e empobrece outros

O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) divulgou que além destes, outros 120 candidatos vão tentar uma vaga na Câmara Federal.

Campo Grande News

08 de Julho de 2014 - 09:10

Dos oito deputados federais da bancada sul-mato-grossense, seis vão tentar a reeleição este ano. O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) divulgou que além destes, outros 120 candidatos vão tentar uma vaga na Câmara Federal.

De acordo com o registro das candidaturas oficializados pelo Tribunal Eleitoral, nos quatro anos que se passaram deste a última eleição para o cargo, alguns parlamentares ficaram mais ricos e outros mais pobres.

A assessoria da Câmara Federal informou que a remuneração mensal de um deputado federal é de R$ 26.723,13, o que dá um total nos quatro anos de mandato de pouco mais de R$ 1,2 milhão.

Quem encabeça a lista da evolução patrimonial é Geraldo Resende, que vai tentar seu quarto mandato. Em 2010 o peemedebista declarou R$ 909,8 mil, e no último sábado a documentação apresentada registrou um patrimônio de R$ 2,4 milhões.

Em contrapartida, também do PMDB, Fábio Trad ficou "mais pobre". Em sua primeira eleição o filho do ex-deputado federal Nelson Trad declarou um patrimônio de R$ 932,8 mil, contra R$ 818,2 mil este ano.

Outro que "empobreceu" foi o radialista de Dourados, Marçal Filho (PMDB). Em 2010 o douradense declarou renda de R$ 2,1 milhões, em ficou pouco mais de R$ 60 mil mais pobre em 2014.

Já o democrata Luiz Henrique Mandetta (DEM) saltou de R$ 539,6 mil para R$ 634,5 mil, enquanto o petista Vander Loubet apresento uma evolução patrimonial de R$ 595,8 mil para R$ 910,5 mil.

Apenas Akira Otsubo (PMDB), que ocupa a cadeira aberta com a licença de Edson Giroto (PR) e luta contra um câncer, e Reinaldo Azambuja (PSDB), que vai concorrer ao governo do Estado, não estão na disputa.