Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 30 de Novembro de 2020

Política

Eleitores veem com pessimismo pulverização de candidaturas a deputado em Sidrolândia

Ao menos cinco nomes com base eleitoral na cidade estão em campanha desde o dia 6 de julho.

Marcos Tomé/Região News

22 de Julho de 2014 - 14:55

A julgar pelas declarações dos eleitores entrevistados pelo regiaonews na manhã de hoje, há certo pessimismo quanto à possibilidade de eleger o primeiro deputado estadual da história de Sidrolândia nas eleições de outubro. O motivo seria a pulverização de candidaturas que deve dividir o eleitorado estimado em 28.268 eleitores.

Ao menos cinco nomes com base eleitoral na cidade estão em campanha desde o dia 6 de julho, data em que a Justiça Eleitoral passou a permitir a divulgação dos candidatos. Até agora, aparentemente, só o candidato da coligação “Novo Tempo”, ex-prefeito Enelvo Felini (PSDB), colocou a campanha na rua com adesivagem de veículos, placas e material gráfico.

Felini terá pela frente uma disputa acirrada com o também ex-prefeito Daltro Fiuza, do PMDB, de quem já ganhou uma eleição municipal em 2000, quando a época estava no poder, mas amargou uma derrota nas mesmas circunstancia, em 2008, quando Fiuza foi reeleito para comandar o Paço Municipal por mais 4 anos.

Em termos de números estatísticos de força política, ambos têm potenciais bem parecidos. Se Daltro ressuscitou em 2004 quando ganhou a eleição de Ademir Osiro (candidato a sucessão de Enelvo), em 2012, a história foi revivida de outro ângulo; Felini retornaria ao Poder ao obter 50,25% dos votos válidos numa campanha sucessória de Fiuza, que apostou no empresário Acelino Cristaldo (46,19%). Enelvo teve o registro de candidatura indeferido pela TSE em 11 de dezembro daquele ano e ficou impedido de assumir o cargo.

Para quem há décadas convive com a alternância entre Daltro e Enelvo na Prefeitura, a disputa entre as duas principais forças políticas por vaga na Assembleia Legislativa, esta sendo vista pelo eleitor com certo ceticismo. Eles acreditam que as duas candidaturas pode prejudicar o desempenho nas urnas e com isto, não se alcançar um resultado eleitoral suficiente para eleger.

“Acho que eles erraram na estratégia. Se saíssem apenas um, as chances seriam maiores, mas os dois, fica difícil”, analisa Carlos Freitas, de 58 anos, morador na chácara Vista Alegre. Em sua avaliação, o município tem potencial para eleger um deputado, mas é preciso que haja uma união de esforços em prol de único candidato. “Infelizmente ficaremos de fora. Até Dois Irmãos do Buriti tem deputado. Maracaju tem outro e nós, pelo visto não será desta vez”, profetiza.

O mesmo sentimento é compartilhado pela assentada do Eldorado I, Terezinha Sirley da Costa, que não vê com otimismo a pulverização de candidaturas. Além dos ex-prefeitos, estão na disputa por vaga na Assembleia, o vereador Edivaldo dos Santos (PT), Clóvis Crepaldi e Alberto Alves de Souza, o Buiu.