Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 27 de Novembro de 2021

Política

Enelvo diz que sai do Governo para dar ao prefeito liberdade de fazer cortes

"O prefeito estará à vontade para tomar as decisões que julgar necessárias”, argumenta.

Flávio Paes/Região News

30 de Setembro de 2013 - 12:05

O ex-prefeito Enelvo Felini (PSDB) disse que sua decisão de deixar as funções de coordenador do Governo Municipal vai ajudar o prefeito Ari Basso (PSDB) a promover a reforma administrativa que resultará em novas demissões. Nesta etapa de cortes devem ser atingidos desta vez os ocupantes de alto escalão, boa parte dirigentes partidários que subiram no palanque tucano.

Este grupo deve sua nomeação a Enelvo que resgatou compromissos assumidos ainda na formação das alianças ainda a eleição de outubro. “Com meu pedido de exoneração, estou dando minha contribuição para o corte de gastos. O prefeito estará à vontade para tomar as decisões que julgar necessárias. Permanecendo no cargo, sempre restaria a alegação de que se promove demissão, enquanto  o Enelvo é poupado”, argumenta.

Quando questionado sobre famigerada reforma administrativa e quais departamentos, em primeiro momento, seriam atingidos, Felini foi cauteloso e se limitou em dizer apenas que as decisões são do prefeito. “Não posso sair pautando o Ari. Ele tem o governo na mão e sabe exatamente onde cortar e como cortar para equilibrar as finanças da prefeitura”.

Em sua avaliação, as possibilidades que foram cogitadas até agora, como por exemplo, a fusão da Secretária de Administração com a de Finanças, de Obras com a de Serviços e Urbanos e até a extinção da Secretaria de Esporte, Cultura e Lazer, são possibilidades a ser avaliada, embora, esta última tem cumprido um papel extremamente importante no governo.

Ele citou como exemplo, o empenho dos servidores do Esporte que numa gesto claro em favor do governo, pintaram toda a quadra do ginásio de esportes, Olegário da Costa Machado. “É raro encontrar gente que tenha o perfil de entender o momento quando se trata de crise financeira. Eliminar uma pasta dessa não se sabe se é a melhor saída,” argumenta.