Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 2 de Dezembro de 2021

Política

Juiz inocenta réus da Uragano e manda liberar bens bloqueados

Praticamente todos os outros parlamentares também foram inocentados, além de ex integrantes do primeiro escalão da gestão de Artuzi.

Dourados Agora

26 de Agosto de 2013 - 16:10

Horas antes do ex-prefeito Ari Artuzi morrer, na noite desta sexta-feira, o juiz titular da 6ª Vara Cível de Dourados, Jose Domingues Filho, considerou que as provas coletadas na “Operação Uragano” não são suficientes para comprovar a culpa dos acusados, no que diz respeito à área cível, e julgou improcedente a ação por prática de atos de improbidade administrativa contra os réus.

Na ação civil pública o Ministério Público Estadual (MPE) pretendia reaver o dinheiro que os réus teriam, supostamente retirado dos cofres públicos, por supostas ações ilícitas, além da punição de afastamento da vida política, por até oito anos. O juiz considerou as acusações improcedentes e mandou liberar todos os bens que estavam bloqueados.

Ao todo, 27 réus foram beneficiados pela decisão, dentre eles, o ex- prefeito Ari Artuzi, e o ex-presidente da câmara de vereadores, Sidlei Alves. Praticamente todos os outros parlamentares também foram inocentados, além de ex integrantes do primeiro escalão da gestão de Artuzi.

A Operação Uragano foi desencadeada em 2010 pela Polícia Federal, que gravou vídeos e escutas telefônicas com autorização da justiça e resultou na prisão de diversos políticos, inclusive do então prefeito de Dourados.

Agora, a decisão do juiz precisa ser confirmada pelo Tribunal de Justiça, já que, por imposição da lei, quando juízes julgam contra os recursos financeiros do poder público, estão obrigados a recorrer de ofício da decisão. O ministério público já fez carga dos processos para análise da decisão. (As informações são da TV MS Record)