Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 29 de Novembro de 2021

Política

Justiça já cassou mais de 25 políticos eleitos nas últimas eleições em Mato Grosso do Sul

De outubro de 2012 até agosto de 2013, a Justiça Eleitoral já cassou o mandato de pelo menos 12 prefeitos e 13 vereadores em Mato Grosso do Sul.

Midiamax

05 de Agosto de 2013 - 14:29

A julgar pelo número de prefeitos afastados por acusações de compra de votos e outras irregularidades em Mato Grosso do Sul, os cinco vereadores investigados em Campo Grande (Mário César-PMDB, Delei Pinheiro-PSD, Paulo Pedra-PDT e Thais Helena-PT) têm motivos de sobra para ficarem preocupados.

De outubro de 2012 até agosto de 2013, a Justiça Eleitoral já cassou o mandato de pelo menos 12 prefeitos e 13 vereadores em Mato Grosso do Sul. Dos 11 prefeitos, quatro foram afastados por indeferimento do pedido de registro de candidatura deles ou do vice: Geraldo Marques (PDT), em Bonito, Enelvo Felini (PSDB), em Sidrolândia, Jácomo Dagostin (PMDB) e do vice Ney Marçal (PT), Guia Lopes da Laguna, e Manoel Viais, em Caracol, onde o prefeito conseguiu efeito suspensivo e o Ministério Público entrou com agravo regimental que ainda está em tramitação.

Em outros três municípios os prefeitos foram afastados após cassação do registro ou do diploma: Getúlio Furtado Barbosa e Rogério Rosalin, ambos do PMDB, em Figueirão, Abraão Zacarias, em Bela Vista, e Marcelo Henrique de Mello, em Jardim. Os três municípios realizaram eleição suplementar no dia 7 de julho e já têm novos prefeitos.

Outros quatro municípios tiveram prefeitos cassados pela Justiça Eleitoral, mas não fizeram nova eleição porque os cassados não conseguiram mais de 50% dos votos e os segundos colocados foram convocados. Forma cassados os prefeitos: Fauzi Suleiman (PMDB), em Aquidauana, Rosângela Baptista (PMDB), em Porto Murtinho, Zé Braquiara (PDT), em Paranaíba e Juliana Pereira Almeida (PT), em Miranda.

O prefeito que assumiu a administração em Aquidauana, José Henrique Trindade (PDT), também foi afastado pela Justiça em 1º grau. Assim, caso o afastamento seja confirmado, o Município pode ter nova eleição, já que a soma de Fauzi e de Trindade ultrapassa os 50% dos votos válidos. O prefeito de Japorã, Vanderlei Bispo (PT), e o vice, Jossé Klasmann, também foram cassados, mas conseguiram liminar e continuam no cargo.

A Justiça eleitoral também foi implacável com 13 vereadores até o momento. Além dos quatro da Capital, a Justiça afastou parlamentares e suplentes em Deodápolis, Maria Alves Assis de Souza; Corumbá, Antonio Luiz Almeida Viana (suplente) e Ronaldo Antônio da Costa; Bonito, Reginaldo dos Reis Nunes Rocha; Jardim, Álvaro Ribeiro Fernandes; Ladário, Daniel da Costa Brambilla; Mundo Novo, Neivaldo Francisco e Gessé Ferreira da Silva, e Anastácio, Manoel Luiz da Silva.

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) esclarece que os números não são definitivos e podem ser alterados em razão de novas sentenças condenatórias em 1º grau; julgamento dos recursos apresentados contra sentenças proferidas por juízes eleitorais de 1º grau e julgamentos feitos pelo TSE dos recursos apresentados contra os acórdãos proferidos pelo TRE.