Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 12 de Maio de 2021

Política

Marun articula ex-assessor para Funai em Campo Grande

Paulo Rios Junior foi indicado pelo deputado.

Midiamax

29 de Dezembro de 2016 - 16:21

O deputado federal Carlos Marun (PMDB) articula um novo nome para a CR (Coordenação Regional) da Funai (Fundação nacional do índio) em Campo Grande. Paulo Rios Junior, 43, ex-assessor do deputado, foi sugerido por Marun, que já consultou lideranças e comunidades de grupos divergentes. Conforme explicou o deputado, Paulo foi escolhido pelo "traquejo político". A nomeação do coronel Renato Vidal Santana - que assinou a própria demissão após pressão das comunidades - também foi indicação do deputado e desencadeou o movimento de ocupação da entidade, em novembro.

"Fiz uma sugestão ontem do nome do Paulo. Outra vez, uma sugestão de um militar acabou não dando certo. Existe uma rivalidade entre dois grupos, um representado pelo Conselho Terena e outro pelo Fórum de caciques. Ele é de Porto Murtinho, tem um contato positivo com indígenas de lá, tem uma longa militância. Isso foi sinalizado aqui no governo [governo federal], e vamos ver se será aceita", explicou Marun.

O deputado afirma que o nome já foi consultado junto à lideranças. "Tentamos dialogar bastante, e a ideia é que se for aceita a sugestão, é que ela, digamos, agrade a maioria. Já conversei com representantes dos dois grupos, cada um tinha um nome. Então vamos tentar essa solução, alguém com traquejo político maior e tentar", afirmou.

Lindomar Terena, do Conselho Terena, explicou que, à princípio, o nome foi bem aceito. "Ele acabou conversando com as lideranças na segunda-feira (26). As lideranças foram recebidas e ele fez a proposta". Conforme explicou o Terena, Marun também prometeu que Alberto França, cacique indicado pelo Conselho Terena, assume como substituto, e, dentro de seis meses, como Coordenador.

"Fecharam com esse nome e o Alberto ficaria como substituto. Pra gente era continuar na mesma, mas diante da situação, as lideranças acabaram fechando, ficou acertado que em seis meses voltariam a sentar e o professor Alberto assumiria. O que as lideranças pediram é que teria que sair a nomeação do Paulo e do Alberto no mesmo dia. As lideranças que foram lá, algumas o conhecem, eu, particularmente, não o conheço, mas dizem que é uma pessoa boa pra dialogar", complementou.

O jornal Midiamax tentou falar com o Fórum de Caciques, consultando o presidente, Juscelino Terena, da aldeia Tereré, em Sidrolândia – distante cerca de 65 km de Campo Grande -, sem sucesso. Ele estaria em uma aldeia, no interior do Estado, com pouco acesso à linha telefônica.

Paulo Rios confirmou a indicação, mas não quis se pronunciar sobre o assunto. Ele explicou aguardar orientação do Ministério da Justiça, pasta responsável pela Funai.