Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 22 de Setembro de 2021

Política

Medo de impugnação faz petistas tucanos excluírem da chapa quem tem cargo na Prefeitura

O próprio candidato a presidente, Wanderlei Lopes Barbosa, foi exonerado no último dia 02 de setembro

Flávio Paes/Região News

13 de Setembro de 2013 - 09:00

A chapa que vai disputar o diretório do PT no processo eleitoral apoiada pelos vereadores Edvaldo dos Santos e Sérgio Bolzan, por exigência do ex-presidente da Câmara, Jean Nazareth, não tem militantes do partido com cargos na administração municipal. O próprio candidato a presidente, Wanderlei Lopes Barbosa, foi exonerado no último dia 02 de setembro do cargo que ocupava na Prefeitura que lhe garantia um salário de R$ 3.835,40.

Além de atender a solicitação de Jean, a decisão de deixar fora da chapa quem tem cargos no Governo Municipal, foi uma medida precaução, já que no grupo estão os 21 petistas que ano passado foram suspensos das atividades partidárias por um ano (inclusive os vereadores) por terem desobedecido a determinação nacional de veto a aliança com o PSDB.

A menos que a decisão do diretório regional seja revisto até novembro, nenhum deles pode votar ou ser votado. “Estamos trabalhando para viabilizar a vitória da nossa chapa”, comenta Vadinho. O temor é de que o grupo adversário tente impugnar a chapa, recorrendo à direção nacional.

Além dos vereadores vão ficar de fora do diretório o ex-presidente do diretório Gilmar Antunes, os secretários de Desenvolvimento Rural, Cezar Queiroz, de Assistência Social, Joana Marques de Almeida Michalski e o coordenador de Planejamento, Marcio Marqueti, além de assessores como Eugenio Wenderberg Neto.

O ex-presidente da Câmara, Jean Nazareth, diz que optou pelo entendimento como forma de contribuição na pacificação do partido e também porque o novo diretório terá mandato de quatro anos. Ou seja, quem obtiver maioria agora, vai participar das definições da eleição de 2014 (para o Governo, Assembleia e Congresso Nacional) e em 2016, quando será eleito o novo prefeito. Ele acredita que o PT “se tiver juízo” poderá lançar um candidato à sucessão do prefeito Ari Basso.