Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 26 de Setembro de 2020

Política

Novo procurador afirma que mandato será de prestação de contas

Alexandre Magno afirmou que operações continuam, mas com responsabilidade

Correio do Estado

09 de Abril de 2020 - 13:26

Eleito com a maioria dos votos para compor a lista tríplice encaminhada ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB), o promotor de Justiça Alexendre Magno Lacerda será o novo procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul (MPMS). Segundo ele, seu mandato será pautado em responsabilidade e prestação de contas à sociedade no combate à corrupção e demais crimes previstos na legislação brasileira.

“A principal pauta de atuação da gestão é fortalecer cada vez mais a unidade institucional. Nesse momento de crise mundial, faz sempre reavivar a necessidade de nós termos uma atuação uniforme”.

Magno é o primeiro promotor de Justiça democraticamente eleito para assumir a Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ). Com 191 votos, afirma que vai respeitar todos os membros da instituição. “Óbvio que sempre será respeitada a independência funcional, que é uma garantia funcional dos membros, mas, mais do que tudo, a resposta dada à sociedade – e nós temos o dever de protegê-la; [a sociedade] espera o Ministério Público coeso. Ministério Público com resolutividade e eficiência: esse será um ponto muito tratado. A atuação no interior do Estado, em parceria com a Capital, com os promotores mais experientes e promotores novos, é fundamental para uma atuação regionalizada”, disse.

O promotor deve ser empossado em maio e vai substituir o procurador Paulo Passos. Ele afirma que serão mantidos o foco da instituição e as respostas à população. “Ao mesmo tempo, o foco que é sempre prioritário do Ministério Público é o combate à criminalidade – que é o que fortaleceu e originou o Ministério Público –, o combate à corrupção, a defesa do meio ambiente, do idoso, da infância, do adolescente, do consumidor. Todas as áreas que a Constituição deu de responsabilidade ao Ministério Público nós trataremos com responsabilidade, pautados sempre em resultados e prestação de contas à sociedade”.

Com relação à escolha de Azambuja entre os três nomes da lista, Magno elogiou o chefe do Executivo por nomear o mais votado pelos integrantes do MPMS. “Quanto à escolha do governador, mais uma vez parabenizo o governador do estado de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, por ter feito a escolha do nome do mais votado, e esse é um anseio antigo. Claro que ele tem o direito constitucional de escolher qualquer um dos nomes, mas optou por respeitar a vontade de classe e valorizar a nossa escolha”, ressaltou o promotor.

Questionado sobre as mudanças na  legislação sobre a proibição da condução coercitiva, por conta da grande exposição midiática, o promotor avisou que as operações realizadas pela instituição devem continuar acontecendo, mas com responsabilidade. “Tanto na Lei de Abuso de Autoridade como nas alterações recentes no Pacote Anticrime, o Ministério Público vem se adaptando e, de fato, tem uma atuação cada vez mais efetiva, com responsabilidade e, ao mesmo tempo, com resultados efetivos a favor da sociedade. Eu acho que todo mundo espera um Ministério Público forte, independente, que tenha coragem de defender a sociedade nas suas mais diversas facetas. Tenho certeza que nos próximos dois anos nós vamos trabalhar cada vez mais com unidade institucional, respeitando sempre a independência funcional, mas fortalecendo a unidade no formato de atuação. O MP precisa avançar, precisa ter uma visão cada vez mais próxima da sociedade. Essas grandes operações continuarão, mas sempre com responsabilidade, com discrição, com eficiência, e é isso que a gente precisa construir com os membros”.

Trajetória

Alexandre Magno Lacerda assumiu o cargo de promotor em 2004, em São Gabriel do Oeste, onde permaneceu até 2011. Em 2015, assumiu a função de chefe de gabinete na gestão do procurador Humberto Brites e permaneceu até este ano com Paulo Passos, mas precisou descompatibilizar da função para concorrer.