Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 18 de Setembro de 2021

Política

Para Fabio Trad, manifestações devem ser a favor da Independência da Democracia

Para o deputado sul-mato-grossense, a independência pela qual o brasileiro deve lutar é aquela que diz respeito aos mecanismos que fazem a Democracia acontecer.

Assessoria

06 de Setembro de 2013 - 10:19

As comemorações deste dia 7 de setembro, Dia da Independência, devem ser marcadas por protestos em, pelo menos, 172 cidades. Batizada de Operação 7 de Setembro, a série de atos é apoiada por diversos grupos que se dizem ligados ao Anonymous e por organizações como o Brasil Contra a Corrupção.

Para o deputado federal Fabio Trad (PMDB-MS), as manifestações devem ser a favor da Independência da Democracia e não contra a Política: “Muitos celebram a independência do Brasil como se não dependêssemos de uma enorme e variada gama de circunstâncias políticas, econômicas e sociais, em especial, no mundo globalizado de intensa e permanente reciprocidade de trocas materiais e culturais”.

Para o deputado sul-mato-grossense, a independência pela qual o brasileiro deve lutar é aquela que diz respeito aos mecanismos que fazem a Democracia acontecer. “Transparência na administração pública, legitimidade da representação política, participação popular, fortalecimento das instituições, reformas política e eleitoral, combate aos desvios de recursos públicos, profissionalização e valorização das carreiras públicas, liberdade de imprensa e manifestação de pensamento, justiça fiscal e tributária, e, racionalização da burocracia estatal com foco na eficiência. Sem essas bandeiras, qualquer protesto terá a força de um trovão que, embora se faça ouvir, não conseguirá derramar um pingo d'água”, afirmou.

Nas redes sociais, pelo menos 400 mil pessoas confirmaram participação nos atos. No site que agrega todas as cidades participantes, os organizadores, que afirmam ser “suprapartidários”, divulgam as seis pautas principais da manifestação, escolhidas, segundo eles, numa votação que mobilizou 26 mil eleitores: prisão imediata dos envolvidos no mensalão, fim do voto obrigatório, aprovação e cumprimento do Plano Nacional de Educação, redução de deputados e representantes, reforma tributária e aprovação e cumprimento da Lei de Combate à Corrupção.