Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 1 de Dezembro de 2020

Política

Para presidente do PSDB ataques de Delcídio é reação de “desespero” ao crescimento de Reinaldo

Em algumas amostragens Reinaldo já aparece em segundo lugar, se habilitando a ir para o segundo turno, confronto, que pelo visto, Delcídio não quer.

Flávio Paes/Região News

26 de Agosto de 2014 - 13:09

O presidente regional do PSDB, deputado Marcio Monteiro, está convencido de que as críticas disparadas pelo candidato do PT ao Governo do Estado, senador Delcídio do Amaral, dirigidas ao partido, só podem ser justificadas como “primeiro sinal de desespero” diante do crescimento nas pesquisas do candidato tucano, deputado Reinaldo Azambuja.

Em algumas amostragens Reinaldo já aparece em segundo lugar, se habilitando a ir para o segundo turno, confronto, que pelo visto, Delcídio não quer. “Nosso candidato está em ascensão, enquanto o do PT que já alcançou mais de 50% das intenções de voto, caiu e hoje está  abaixo de 40%”, observou.

No sábado o candidato do PT durante pronunciamento em ato político na cidade disse que enquanto ele, como senador, já teria viabilizado mais de R$ 16 milhões para Sidrolândia, os tucanos não teriam feito “p...nenhuma” pela cidade. Delcídio foi além e sustentou que o PSDB estaria agora “saqueando” a Prefeitura de Campo Grande, onde filiados ao partido comandam a Secretaria de Educação e a Fundação Municipal de Esportes.

O dirigente do PSDB também contestou duramente esta declaração do senador. Márcio Monteiro lembrou  que a julgar pelas lideranças políticas que foram condenadas pelo Supremo Tribunal Federal por corrupção e estão cumprindo pena na Papuda, presídio de Brasília, ao contrário do que disse o senador, quem de fato saqueia o País é o PT, não o  PSDB.

“Nenhum dirigente ou liderança política nacional do PSDB está preso por desvio de dinheiro público. Quem está atrás nas grades são petistas que ajudaram a desviar dinheiro público com o mensalão, esquema que o senador conhece  em detalhes, pois atuou como presidente da CPI dos Correios, responsável pelas investigações. Não foi nosso candidato quem foi estampado na Revista Veja e em outras publicações, por causa da suspeita de manipulação da CPI da Petrobrás no Senado", alusão que Monteiro faz ao próprio Delcidio mencionado nesta reportagens.

O deputado ainda rebateu afirmação de Delcídio de que o PSDB por muitos anos se escondeu por traz do PMDB, não podendo agora se apresentar como uma alternativa a polarização PMDB/PT que nos últimos 16 anos governaram o Estado. “Estivemos sim aliados ao PMDB, tanto no Governo do Estado, quanto na Capital. Em 2002 disputamos o Governo do Estado com a senadora Marisa Serrano, tendo o apoio dos peemedebistas que indicaram o vice na chapa. Tudo foi feito as claras, de forma legítima”. Já na eleição de 2012, houve o rompimento, quando o deputado Reinaldo Azambuja disputou a Prefeitura e por pouco não foi para o segundo turno.