Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 17 de Maio de 2021

Política

Peres diz que Câmara espera há 30 dias por dados do Executivo para votar permuta da Antero

Nesta terça-feira, o vereador Peres voltara à Prefeitura para cobrar mais uma vez o envio dos documentos de avaliação.

Flávio Paes/Região News

22 de Novembro de 2016 - 07:00

O projeto que autoriza o Executivo a permutar duas áreas, o que abrirá caminho para o prolongamento da Avenida Antero Lemes até a Avenida Aroeira, está emperrado desde o último dia 7 de outubro nas comissões técnicas da Câmara.

A permuta, diferente das cessões de uso real de áreas públicas, não está sendo contestada pelo Ministério Público. A Prefeitura pretende recorrer ao mesmo expediente para prolongar a Avenida Aquidaban; a Rua Targino de Souza e o acesso ao Sidrolar.

Segundo o vereador Ilson Peres (PSDB), há mais de um mês a comissão de finanças espera que o Executivo envie documentos que respaldem a troca das áreas de Abílio Sebastião Ramos e Zenaide Soares Ramos, 5 mil metros quadrados que ficam no traçado planejado para prolongar a Avenida Antero Lemes, passando em frente da UPA (Unidade de Pronto Atendimento).                       

Os proprietários seriam indenizados com uma área de 3.341,97 metros quadrados no Jardim Petrópolis, pertencente ao município.                        

“Protocolamos na Prefeitura no dia 14 de outubro o envio da documentação", explica Peres. Os vereadores não puderam votar o projeto dia 7 de outubro porque não foi enviado junto com a proposta, o laudo de avaliação dos imóveis (tanto o público, quanto os imóveis particulares). Sem esta regularização a empreiteira que fará o prolongamento, não pode iniciar a obra, que por força de contrato tem até 30 de abril de 2017 para terminar.

Nesta terça-feira, o vereador Peres voltará à Prefeitura para cobrar mais uma vez o envio dos documentos de avaliação. “Estivemos na semana passada expondo a situação ao prefeito”, explica. O prolongamento da Avenida Antero Lemes será feito pelo Governo do Estado, junto com as obras de drenagem às margens da MS-162, o que pode resolver os problemas de alagamentos no Cascatinha. O investimento total é de R$ 2,5 milhões.