Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 5 de Dezembro de 2021

Política

Pré-candidato do PT ao governo, Delcídio promete apoiar propostas do PDT

A autonomia da UEMS é uma das 12 propostas elencadas pelo PDT na Carta de Campo Grande, elaborada em consenso pelas lideranças de todo o Estado e divulgada no início de setembro

Assessoria

27 de Setembro de 2013 - 14:20

O senador Delcidio do Amaral (PT) foi enfático ao assumir o compromisso de garantir autonomia administrativa e financeira da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), caso seja confirmado candidato e eleito governador em 2014.

“A UEMS precisa dessa segurança, o Estado precisa de uma universidade livre para formar profissionais qualificados”, disse o senador, em reunião com membros da Comissão Executiva e lideranças do PDT, na noite desta quinta-feira (26), na sede do partido, em Campo Grande.

A autonomia da UEMS é uma das 12 propostas elencadas pelo PDT na Carta de Campo Grande, elaborada em consenso pelas lideranças de todo o Estado e divulgada no início de setembro. “E é a razão do mandato do deputado Felipe Orro, que luta por isso na Assembleia”, lembrou o presidente regional do PDT, João Leite Schimidt.

Felipe Orro subscreve uma emenda à Constituição Estadual que garante a autonomia financeira, didático-administrativa da UEMS; a matéria já foi aprovada pela CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Redação Final) e seguirá a plenário para apreciação de todos os deputados.

“Estamos confiantes de que neste ano a UEMS reconquista sua autonomia para, a partir de 2014, garantirmos um percentual de repasse de recursos no Orçamento do Estado que possibilite à universidade cobrir seus custos, investir em pesquisas e ampliar as vagas, abrir novos campus e novos cursos. A Uems é a esperança de milhares de jovens pobres que enxergam no curso superior um meio seguro de melhorar de vida”, ponderou Felipe Orro.

Delcídio do Amaral também se comprometeu a abraçar todas as demais propostas do PDT, inclusive a escola em tempo integral e a federalização do ensino básico, que, nesse caso, depende do Congresso Nacional.  Sobre a escola em tempo integral, Delcidio afirmou não ter dúvida de que essa é a resposta certa do Estado para a criminalidade infanto-juvenil.

"Ao manter a criança e o adolescente o dia todo na escola, estudando, participando de cursos de arte e cultura e atividades esportivas e recreativas, o Estado assegura aos pais que seus filhos estão protegidos da violência e das más influências", ponderou o senador.

Ele enfatizou, entretanto, que se trata de um programa ambicioso e precisa ser implantado em etapas. “Porém é preciso ter a coragem para começar, estabelecer um cronograma e ir transformando aos poucos todas as escolas atuais em escolas de tempo integral”, afirmou.

Quanto à federalização do ensino básico, Delcidio já subscreveu a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) número 32, de autoria do senador Cristovam Buarque (PDT-DF), que trata do assunto.

Delcidio entende que o Congresso Nacional vai apreciar a matéria em breve.