Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 29 de Novembro de 2021

Política

PROS, novo partido autorizado pelo TSE, deve nascer em Sidrolândia com quatro vereadores

Vão ingressar na legenda os vereadores David Olindo (PR), Mauricio Anache (PSDB), Jurandir Cândido (PMDB) e Marcos Roberto (PSDB).

Flávio Paes/Região News

25 de Setembro de 2013 - 09:36

Fotos: Marcos Tomé/Região News

PROS, novo partido autorizado pelo TSE, deve nascer em Sidrolândia com quatro vereadores

O 31º partido do País, o PROS (Partido Republicado da Ordem Social), vai nascer em Sidrolândia já com maior bancada na Câmara Municipal, provocando uma debandada no PSDB, que perderá metade da sua representação, no PMDB e no PR .  Vão ingressar na legenda, que ontem conseguiu o registro no Tribunal Superior Eleitoral, os vereadores David Olindo (PR), Mauricio Anache (PSDB), Marcos Roberto (PSDB) e Jurandir Cândido (PMDB).

Os quatro têm atuado de forma afinada nas votações e discussões em plenário, num embrião de um novo grupo político que nasce com metas ambiciosas: influenciar na composição da futura Mesa Diretora e viabilizar um candidato a prefeito na eleição de 2016. Mauricio Anache deve ser candidato a deputado federal em 2014. Ele e seu colega de PSDB Marco Roberto, mesmo na base aliada tem criticado decisões do Governo Municipal, questionando especialmente a influência e  atuação do ex-prefeito Enelvo Felini, secretário de Governo.

O novo partido

Segundo informações do TSE, o PROS foi fundado em 4 de janeiro de 2010. O número de representação do partido em eleições será o 90. O partido foi criado em Planaltina de Goiás, cidade do entorno do Distrito Federal, pelo ex-vereador da cidade Eurípedes Júnior (ex-PSL). O tribunal entendeu que o partido conseguiu coletar as 490 mil assinaturas necessárias para obter o registro nacional.

Com o registro, o Pros pode disputar a eleição de 2014, na qual serão escolhidos o Presidente da República, governadores, senadores, deputados federais e estaduais distritais no caso do Distrito Federal. Após a aprovação da nova sigla, o TSE analisa a situação do Partido Solidariedade, liderado pelo deputado Paulo Pereira da Silva (atualmente no PDT-SP), o Paulinho da Força.

Antes mesmo de ter o registro aprovado, o Pros já tinha diretório nacional, site, programa e até hino. O partido diz que foi gestado há quatro anos, quando seus fundadores viram na criação da sigla a melhor forma de resolverem os "problemas, injustiças e desordens da nação". De lá para cá, afirmam ter colhido mais de 1,5 milhão de assinaturas.

A principal proposta da legenda é a redução dos impostos. Em seguida, aparecem o combate à corrupção, ao desemprego e à desigualdade social. O Pros propõe a criação do Imposto Único Federal (IUF) para reunir tributos municipais, estaduais e federais.

Para 2014, a legenda almeja contar com cinco candidatos a governador e eleger ao menos 20 deputados federais. Entre os parlamentares cotados para migrar à sigla estão Ademir Camilo (PSD-MG), Henrique Oliveira (PR-AM), Major Fábio (DEM-PB) --que pretendem disputar os governos do Amazonas e da Paraíba, respectivamente, Izalci Lucas (PSDB-DF), Ataídes Oliveira (PSDB-TO) e Salvador Zimbaldi (PDT-SP).

O presidente do Pros é Euripedes Gomes de Macedo Junior, que já foi filiado ao PSL de Goiás. Especula-se que o novo partido possa atrair os irmãos Cid e Ciro Gomes, ambos do PSB, insatisfeitos com a possível candidatura de Eduardo Campos à Presidência.