Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 25 de Novembro de 2020

Política

Reinaldo considera normal desistência de Name e Hashioka em disputar eleições

Reinaldo avaliou as desistências como normal no pleito eleitoral. “Ninguém obriga ninguém a ser candidato”, afirmou o parlamentar.

Midiamax

16 de Julho de 2014 - 17:00

O deputado federal e candidato ao governo do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), comentou nesta quarta-feira (16) sobre a desistência de duas candidaturas na coligação. A deputada estadual Dione Hashioka (PSDB), que concorreria à reeleição, e a ex-vereadora Teresa Name (PSD), que chegou a entrar na disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa, desistiram dos projetos porque outros políticos de suas respectivas famílias apoiam o candidato do PT ao governo, Delcídio do Amaral.

Reinaldo considera desistências como parte normal do processo eleitoral. Dione acabou cedendo ao marido, Roberto Hashioka, prefeito de Nova Andradina, que apoia o candidato petista. Já a ex-vereadora Teresa Name, que hoje milita no PSD, tem o cunhado, Pedro Chaves, como suplente de Delcídio, e Jerson Domingos, deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa, que até se licenciou do PMDB para apoiar a campanha do senador ao governo.

“(...) filiei-me ao PSD por me identificar com o conteúdo programático do partido e ciente de que a agremiação integraria o projeto para eleger Delcídio do Amaral governador de Mato Grosso do Sul. Entretanto, os dirigentes do PSD tomaram outro rumo, que respeito, mas que é incompatível com o projeto do meu grupo político e da minha família” informou Teresa, por meio de nota, nesta quarta-feira (16).

Reinaldo avaliou as desistências como normal no pleito eleitoral. “Ninguém obriga ninguém a ser candidato”, afirmou o parlamentar. “A candidatura deve ser algo natural, e começar no núcleo familiar e passar na conjuntura pública”, observou.

Segundo o tucano, o alinhamento de Roberto Hashioka já era certo com o candidato do PT, e considera estranho se a deputada Dione não optasse pela desistência. “A Teresa, da mesma forma, havia um alinhamento familiar com outro candidato”, disse.

Reinaldo não acredita que, com a desistência de Dione e Teresa Name, haja uma perda de votos para a coligação. “A majoritária é independente da proporcional, embora vamos trabalhar para que ocorra uma unidade, em conjunto, mas creio que estamos indo bem, temos uma boa aceitação, estamos animados, e respeitamos a decisão de ambas”, afirmou.