Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 6 de Maio de 2021

Política

Se atender futuro vice, Câmara vai retardar prolongamento de duas avenidas, garante secretário de Governo

Segundo o secretário de Governo, Daniel Alves, a alternativa para viabilizar estes projetos viários seria trocar áreas particulares por áreas públicas.

Da Redação/Região News

20 de Novembro de 2016 - 22:48

Caso a Câmara Municipal atenda o “conselho” do vice-prefeito Wellison Muchiutti Hernandes e suspenda a votação de projetos do Executivo que tratem de doação ou permuta de áreas públicas, vai retardar o prolongamento de duas avenidas (Antero Lemes e Aquidaban), da Rua Targino de Souza Barbosa e do acesso aos bairros Sidrolar e Ipacaray. 

Segundo o secretário Municipal de Governo, Daniel Alves, a permuta de áreas foi à alternativa encontrada para viabilizar mais rapidamente estes projetos viários. Estão sendo trocadas áreas particulares (que estão no traçado para prolongamento das vias) por áreas públicas de tamanho ou valor de mercado equivalente. “Se a opção fosse desapropriar, o custo seria maior e o processo mais demorado, porque poderia haver contestação judicial em torno do valor da indenização”, explicou.

Na semana passada, o futuro vice-prefeito, que só será diplomado pela Justiça Eleitoral no próximo dia 15 de dezembro junto com os demais eleitos na eleição de 2 de outubro, numa atitude inédita, simplesmente pediu ao presidente da Câmara, David Olindo, “para não colocar em votação na atual legislatura nenhum projeto desta natureza, para que o novo prefeito em 2017 tome conhecimento dos fatos e motivos de doações de áreas, para que não prejudique o município”.

Conforme o secretário de Governo, um dos projetos que poderia ser obstruídos, é o que permitirá o prolongamento da Avenida Antero Lemes até a Avenida Aroeira, passando em frente da UPA (Unidade de Pronto Atendimento). O projeto de lei 030, que está na Câmara desde o início do mês passado, prevê a permuta de uma área de 5 mil metros quarados (que fica no traçado do prolongamento da avenida) pertencente a Abílio Sebastião Ramos e Zenaide Soares Ramos, em troca de terrenos no Jardim Petrópolis, que somam 3.341,97 metros quadrados.

“O Governo do Estado já licitou a obra e só depende da regularização desta área para assinar a ordem de serviço. O projeto, que inclui também a drenagem do Cascatinha, prevê investimento de R$ 2,5 milhões”, lembra Daniel.

Uma segunda permuta envolve o prolongamento da Avenida Aquidaban a partir da Rua Mato Grosso, permitindo acesso a um novo loteamento em fase de implantação nos fundos da sede social da associação dos funcionários da JBS. 

Foto: Reginaldo Mello/Região News

Se atender futuro vice, Câmara vai retardar prolongamento de duas avenidas, garante secretário de Governo

Uma segunda permuta envolve o prolongamento da Avenida Aquidaban.

A terceira troca, permitirá a extensão da Rua Trajano de Souza, atravessando terreno do empresário Célio Fialho, que seria compensado com uma área no Sidrolar. Este trecho (que á foi até aberto), permitirá um novo acesso ao Bairro São Bento, pela Rua Lauro Muller. Há também interesse em permutar uma área do médico Sérgio Ocampos que servirá para abertura do acesso ao Sidrolar. O cardiologista vai oferecer ainda como contrapartida, a instalação de uma academia a céu aberto para atender a comunidade da região.

Foto: Reginaldo Mello/Região News

Se atender futuro vice, Câmara vai retardar prolongamento de duas avenidas, garante secretário de Governo

A terceira troca, permitirá a extensão da Rua Trajano de Souza, atravessando terreno do empresário Célio Fialho.

Na semana passada o Executivo sancionou a concessão de uso de 16,9 hectares para a empresa Elite Max Ambiental, implantar um aterro sanitário privado. Em contrapartida, vai assumir o custo de revitalização do lixão, assumindo encargos do município assumidos num TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) firmado com o Ministério Público. Também foi dada concessão de uso de um terreno no Loteamento Campina Ipacaray para o Centro Espírito Chico Xavier e de outro para a Igreja Evangélica Renovação em Cristo.

Polêmica –

De todas estas cessões de uso, a mais polêmica envolve a que beneficia a empreiteira Jaqueline Cristina Zielinski (Nelsão Construtor). São 6 mil metros quadrados, avaliados em R$ 758.640,00 , área no Morada da Serra, reservada à construção de uma praça. O projeto do Executivo não especifica qual a contrapartida da empresa, que estaria planejando construir lá sua sede, sem nenhum dividendo para o município.