Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 17 de Outubro de 2021

Política

Terenas da Tereré deixam PMDB e entram no PHS de olho em 2016

Domingo passado aproximadamente 40 indígenas se filiaram ao partido tendo como projeto eleger um vereador na eleição de 2016 da comunidade.

Flávio Paes/Região News

06 de Agosto de 2013 - 13:25

Lideranças da aldeia urbana Tereré que acompanham o cacique Valcélio Figueiredo, debandaram do PMDB e se filiaram em massa no PHS (Partido Humanista da Solidariedade), criando o segmento indígena da legenda em Sidrolândia. Domingo passado aproximadamente 40 indígenas se filiaram ao partido tendo como projeto eleger um vereador na eleição de 2016 da comunidade.  A meta é atingir 250 filiados e manter o controle do diretório municipal.

Nas últimas duas eleições o grupo fez campanha para a vereadora Rosangela Rodrigues dos Santos, que em 2012  obteve 178 votos nas três sessões (68, 82 e 88) onde votam os moradores da Tereré.  Numa das sessões os 88 votos que obteve superou o desempenho do então candidato a prefeito Enelvo Felini que garantiu 84 votos (Acelino Cristaldo, do PMDB, conseguiu 143), enquanto a vereadora garantiu 95, 40% dos votos válidos para o legislativo.

“Nosso compromisso com a Drª. Rosangela se encerrou na eleição de 2012”, declara o cacique Valcélio que era o vice-presidente do diretório municipal do PMDB. “Resolvemos entrar num partido onde o índio tenha mais espaço, inclusive para eleger um vereador”, argumenta. Na administração Daltro Fiuza, Valcélio foi coordenador municipal das políticas públicas indígenas.

Em retribuição ao apoio da comunidade a candidatura a deputado do secretário Carlos Marun, a Tereré recebeu 65 casas, além de melhorias como a expansão da rede de água e a compra  (pela Prefeitura) de três hectares vizinhos à aldeia para  abrigar terenas desaldeados, alguns oriundos de Nioaque, Aquidauana e Miranda, que se mudaram para Sidrolândia atraídos pelas oportunidades de emprego na Seara. 

Esta ligação histórica com o PMDB, praticamente alijou o grupo da Prefeitura, já que a gestão tucana só reconhece a liderança do cacique Maioque, primo de Valcélio.