Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 26 de Maio de 2022

Política

Vadinho nega na tribuna apoio a Jean que havia endossado em reunião com cúpula petista

O vereador, só ontem, cinco dias depois da reunião com a cúpula regional, resolveu tornar públicas suas críticas.

Flávio Paes/Região News

24 de Novembro de 2015 - 14:27

Depois de ter aceitado na última quinta-feira, sem contestação, a decisão da cúpula regional do PT que decidiu pela pré-candidatura a prefeito de Jean Nazareth, ao ponto de  posar para fotografia ao lado do ex-vereador e de dirigentes petistas, estranhamento o vereador Edvaldo dos Santos, usou a tribuna na sessão da segunda-feira para criticar a resolução do partido que não quis, ou não teve coragem, de contestar quando esteve frente a frente com o presidente do diretório regional, ex-deputado Antônio Carlos Biffi.

Vadinho jura que viajou 70 quilômetros até Campo Grande, em companhia de Jean e do presidente do diretório municipal, Wanderlei Barbosa, desconhecendo que o tema do encontro seria a sucessão municipal. “Não estou satisfeito com a forma como o PT está tratando a questão”, desabafou na tribuna.

O vereador, só ontem, cinco dias depois da reunião com a cúpula regional, resolveu tornar públicas suas críticas. Não as manifestou diretamente a Biffi quando esteve com ele na quinta-feira e dedicou boa parte do seu pronunciamento ontem na Câmara para atacar o RN que só ontem divulgou a reunião divulgada desde a semana passada nas redes sociais.

O vereador garante que “no momento não apoia a pré-candidatura de Jean, nem participo do seu grupo. Aliás, não sou de grupo nenhum, só do PT”, sintetiza Vadinho, apesar de tornar quase sem efeito suas criticas e descontentamento que não descartou a possibilidade de no futuro vir apoiar o ex-vereador.

A cúpula petista convenceu Vadinho a desistir de sua pré-candidatura a prefeito por conta das dificuldades que terá até para registrar uma eventual candidatura à reeleição. O Tribunal Regional Eleitoral rejeitou a prestação de contas da sua campanha para deputado estadual, tendo deixado pendentes de pagamento, mais de R$ 70 mil.