Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 10 de Agosto de 2022

Política

Vereador denúncia situação precária de ônibus que transporta catadores de frango

Segundo o vereador Sérgio Bolzan, que apresentou a denúncia na última sessão da Câmara, o problema já denunciado ao Ministério Público do Trabalho

Flávio Paes/Região News

01 de Setembro de 2015 - 10:10

Os 45 catadores de frango contratados da empresa L.S Almeida, empresa terceirizada da JBS/Seara, diariamente estão correndo risco de sofrerem um acidente grave no trajeto até os aviários, alguns localizados a mais de 100 km distância, em Maracaju, Dois Irmãos do Buriti e Terenos.

Segundo o vereador Sérgio Bolzan, que apresentou a denúncia na última sessão da Câmara, o problema já denunciado ao Ministério Público do Trabalho, mas até agora nada foi feito para coibir a situação.

Bolzan, que também é presidente do sindicato que representa os catadores, disse que os ônibus estão em situação tão precária que pelo três vezes um dos pneus se soltou e só não aconteceu uma tragédia, graças a perícia do motorista. O último episódio desta natureza aconteceu na sexta-feira passada na MS-162 (saída para Maracaju).

Logo após a ponte sobre o Rio São Bento, uma das rodas se soltou e o ônibus, com 13 pessoas (incluindo o motorista), se arrastou por mais de 100 metros no asfalto, atropelando um cachorro. Mesmo se refazendo do susto, os trabalhadores registraram em vídeo (gravado no celular) o risco a que se expuseram.

Bolzan já denunciou à situação a JBS/Seara, cobrando da empresa medidas urgentes contra a sua terceirizada (a L.S Almeida) que além de não oferecer um transporte de segurança desde janeiro de 2014 não recolhe o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) dos trabalhadores.

O mais revoltante, conforme o vereador, é que a mesma empresa está investindo na compra de dois caminhões para o transporte de bois, porque deve prestar serviço para o Frigorífico Balbinos, em fase de instalação. “Ou seja, dispõe de recursos para transportar boi com segurança, mas não o trabalhador”, conclui o vereador.