Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 18 de Janeiro de 2021

Política

Votos de localidades de difícil acesso serão enviados via satélite para agilizar computação

No dia 5 de outubro, os votos computados pela urna eletrônica serão enviados via satélite para o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de cada Estado

Assomasul

08 de Setembro de 2014 - 11:08

Para que não haja demora na apuração de urnas eletrônicas de lugares remotos, os votos serão enviados via satélite, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A tecnologia será implantada em 1.269 regiões remotas localizadas em 380 municípios de 16 Estados (Acre, Amazonas, Amapá, Bahia, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rondônia, Roraima e Tocantins).

Essas localidades são geralmente aldeias, terras e reservas indígenas, seringais, comunidades ribeirinhas, colônias, quilombos, assentamentos, zonas rurais e vilarejos isolados.

São locais de difícil acesso, com “escassez ou inexistência de sistemas capazes de promover comunicação rápida e de qualidade”, explica o TSE. Só o Amazonas tem 380 áreas com estas caraterísticas e o Pará 337.

Este tipo de tecnologia para a computação dos votos foi usada a primeira vez em 2008 e, cada vez mais tecnológica, será repetida nas Eleições Gerais 2014. De acordo com o Tribunal, a apuração chega a ser mais rápida nesses locais mais distantes dos grandes centros.

Como funciona

No dia 5 de outubro, os votos computados pela urna eletrônica serão enviados via satélite para o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de cada Estado.

Os dados entram em uma rede de comunicação de uso restrito, não conectada à internet, e serão recebidos e totalizados. A partir daí, a Justiça Eleitoral faz um check list e totaliza os resultados para a divulgação.