Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 21 de Junho de 2024

Sidrolandia

Advogado de cabo do caso Rafael nega que ele tenha pedido propina

Filho da atriz Cissa Guimarães morreu atropelado no Túnel Acústico. Os PMs disseram que não viram movimentação estranha no túnel.

G1

30 de Julho de 2010 - 08:17

Os policiais militares acusados de pedir propina ao estudante Rafael Bussamra, motorista que confessou atropelar o músico Rafael Mascarenhas, se recusaram a prestar depoimento à polícia na tarde desta quinta-feira (29). O cabo e o sargento disseram ainda que só vão falar sobre o caso em juízo. 

O advogado do cabo suspeito de cobrar propina, Claudenor de Brito, disse que seu cliente negou qualquer negociação envolvendo propina.

Ele disse ainda que seu cliente quer provas e quer saber quando a acusação começou a ser feita. "Ele quer ver a prova. Que dia que foi dito que eles receberam propina. Foi no mesmo dia? No primeiro dia do depoimento, quando eles foram na delegacia? Ou se foi posterior, quando a coisa estava se agravando. É isso que ele quer saber."

Brito disse que o cabo não sabia do atroplemanto e que o comando do batalhão não sabia que o túnel estava fechado. Ele também declarou que o PM disse que o carro não estava tão amassado como no dia em que foi encontrado pelos agentes na oficina, na manhã após o acidente. Apenas o advogado do cabo estava presente.

Os dois PMs contaram à delegada responsável pelas investigações, Bárbara Lomba, da 15ª DP (Gávea), que não perceberam nenhuma movimentação estranha no túnel na madrugada quando ocorreu o acidente.

A delegada revelou que pretende encerrar o inquérito em 20 dias e ainda aguarda provas e laudos para indiciar o motorista Rafael Bussamra. Segundo ela, o estudante pode responder por homicídio culposo ou doloso.

Homenagem a Rafael Mascarenhas
Eu tive a sorte de ter um anjo”. Foi com essa frase que a atriz Cissa Guimarães se referiu ao filho caçula, o músico e skatista Rafael Mascarenhas, de 18 anos, que
morreu atropelado no dia 20 de julho, no Túnel Acústico, na Gávea, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Cissa participou de uma homenagem ao jovem na madrugada desta quinta-feira (29), no local onde ocorreu o acidente.

Veja fotos da homenagem

Atriz Cissa Guimarães deixou uma mensagem em homenagem ao
filho Rafael Mascarenhas no muro do Túnel Acústico
Atriz Cissa Guimarães homenageou o filho Rafael
Mascarenhas no Túnel Acústico 
(Foto:Rodrigo Vianna/G1)

Muito emocionada, a atriz chegou por volta de 1h20 desta quinta ao local acompanhada do diretor e amigo Ernesto Picolo, dos filhos Thomaz e João Velho e de Raul Mascarenhas, pai de Rafael. Centenas de pessoas, entre skatistas, artistas, amigos e parentes de Rafael Mascarenhas participaram da homenagem, realizada na pista sentido São Conrado.

Entenda o caso

Cissa Guimarães recebeu abraços de todos e se disse muito feliz com a manifestação de carinho. A atriz surpreendeu com um forte grito de “Rafa”, arrancando aplausos e lágrimas. Em seguida, ela e família depositaram vasos de flores num local próximo onde ocorreu o acidente.

“Eu agradeço, eu agradeço por ele (Rafael). Tudo aqui é para ele e não para mim. Eu quero que todos saibam que ele está aqui abençoando esse momento lindo. Ele não era só meu. Ele era de todo mundo. Muito obrigada. Eu estou muito feliz com tudo isso”, declarou a atriz emocionada.

Investigação
No mesmo dia do acidente, Rafael Bussamra, de 25 anos,
se apresentou à polícia e confessou ter atropelado o músico. Em depoimento, ele contou que prestou socorro ao filho da atriz e que foi liberado pela polícia. Outros três jovens que estavam no carro de Rafael Bussamra e no de seu amigo prestaram depoimento. Todos negaram estar participando de um “pega”.

Em depoimento, Roberto Bussamra, pai de Rafael Bussamra, contou que o filho foi coagido a
pagar propina para os policiais. A delegada Bárbara Lomba afirmou que os policias podem ser acusados por corrupção passiva e Rafael e Roberto Bussamra por corrupção ativa. Rafael Bussamra ligou para o pai, que pagou R$ 1 mil aos policiais após o acidente. O pedido dos policiais, segundo ele, teria sido de R$ 10 mil.

O cabo da Polícia Militar Marcelo Bigon e o sargento Marcelo Leal, acusados de liberar o carro do jovem que atropelou Rafael Mascarenhas
foram presos na quarta-feira (28) e levados para a Unidade Prisional da Polícia Militar, em Benfica, no subúrbio. A Justiça Militar já havia decretado a prisão preventiva dos dois.