Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 14 de Junho de 2024

Sidrolandia

"Alívio", diz mãe de estudante de MS que está na Universidade da Flórida

Ela estava em casa quando pelo menos três estudantes foram baleados dentro da biblioteca por um atirador que invadiu o local

G1 MS

21 de Novembro de 2014 - 07:33

A estudante de engenharia civil Isabela Moura Maia, 21 anos, aluna da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, está na Flórida fazendo intercâmbio pelo programa Ciência Sem Fronteiras. Ela estava em casa quando pelo menos três estudantes foram baleados dentro da biblioteca por um atirador que invadiu o local. Assim que soube do ocorrido, avisou a mãe, Elisabeth Moura,  45 anos, para não causar preocupação.

“Eu fiquei sabendo antes de sair do noticiário porque ela me mandou um recado avisando o que tinha acontecido e avisando que estava bem”, conta Elisabeth ao site. Segundo ela, a jovem é bastante cautelosa e sempre entra em contato, principalmente quando acontece algo que possa gerar repercussão e deixar a família angustiada.

 “Uma sensação de grande alívio. Nós ficamos meio atordoados porque você pensa no que poderia ter acontecido. Ela disse que durante a noite muitos estudantes estavam na frente da universidade fazendo orações”, conta.

Junto com a garota estão outros estudantes sul-mato-grossenses. Nenhum deles estava na biblioteca no momento do tiroteio. Um deles é João Marcos Rosa Sanches, também aluno de engenharia civil pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Ele contou à produção da TV Morena que estava bastante frio e a maioria dos universitários estavam em suas casas. Segundo o estudante, a Universidade Estadual da Flórida tem um sistema de alerta que avisou os alunos sobre o momento de perigo alertando àqueles que estavam no campus a procurar ficar longe de portas de janelas e aos que estavam fora para que não fossem até o local. Sanches comenta que há pelo menos outras quatro pessoas do estado estudante na instituição.

Tiroteio
O caso ocorreu no início da madrugada desta quinta-feira. Depois de se recusar a largar sua arma, o atirador foi baleado por policiais que atenderam a um chamado de emergência, informou o porta-voz da polícia de Tallahassee, David Northway, que acrescentou que uma investigação foi aberta para apurar o caso.

A universidade, que fica na cidade de Talahasse, no norte do estado, classificou a situação como “perigosa”, e pediu aos que estiverem no campus que busquem abrigo e fiquem longe de portas e janelas. Alertas foram emitidos por telefone e via celular.

Não há ainda informações sobre as circunstâncias do tiroteio. Pelo menos uma das vítimas tem estado crítico. Pelo campus circulam cerca de 40 mil estudantes todos os dias.