Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 17 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Antônio Freire é eleito presidente da Faems, com 63% dos votos

A eleição contou com a participação de 100% dos presidentes e representantes de associações comerciais do Estado.

16 de Abril de 2011 - 14:26

Antônio Freire é eleito presidente da Faems, com 63% dos votos
Ant - Foto: Marco Asa

Antônio Freire, atual presidente da Associação Comercial e Empresarial de Dourados, candidato pela Chapa “A Força da União” venceu a disputa com mais de 63% dos votos válidos, 32 votos a 19, durante a realização das eleições que contaram com duas chapas na disputa pela presidência da entidade para o triênio 2011/14. A votação aconteceu na sede da ACICG - Associação Comercial e Industrial de Campo Grande, no centro da Capital.

A eleição contou com a participação de 100% dos presidentes e representantes de associações comerciais do Estado.

Das 57 associações comerciais de MS, 51 estavam aptas a exercer o direito do voto e todas compareceram, e seis não votaram por não estarem dentro das normas, de acordo com o Estatuto da Federação.

Freire agradeceu a todos que o apoiaram nesta caminhada citando o atual presidente da Faems, Leocir Montagna, Luiz Fernando Buainain, presidente da ACICG e Alfredo Zamlutti, presidente da Associação Comercial de Corumbá, além de todos que de algum modo colaboraram e participaram de sua campanha.    

Para ele, “é muito importante poder exercitar a democracia, a disputa é saudável quando é feita dentro dos padrões de respeito entre as partes. Ainda bem que contamos com o sistema democrático, que permite aos candidatos preparar suas campanhas, apresentarem suas propostas, pedir o voto dos eleitores e certamente o que vence foi quem desempenhou melhor o seu papel e apresentou as melhores propostas”, afirmou.

Leocir Montagna, presidente da entidade, falou do bom momento porque passa a Federação, afirmando que a campanha dos dois candidatos transcorreu dentro da mais absoluta normalidade, “houve disputa, mas uma disputa saudável, o que enobrece o processo eleitoral e só fortalece a entidade, que necessita de pessoas comprometidas com o associativismo, dispostas a trabalhar muito em nome do crescimento e da preocupação em promover o nome da entidade, dando-lhe mais visibilidade e em condições de brigar de igual para igual com todas as outras grandes instituições na hora de reivindicar os direitos dos nossos associados e do empresariado.