Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 14 de Abril de 2024

Sidrolandia

Após seca, geada castiga milho safrinha no Estado

Segundo especialistas, o impacto da geada é certo, só não é possível ainda mensurar a intensidade dos estragos.

Diário MS

28 de Junho de 2011 - 13:11

Mato Grosso do Sul teve ontem o dia mais frio dos últimos dez anos. As baixas temperaturas também favoreceram a formação de geada em diversos municípios da região sul, que atingiram em cheio as lavouras de milho safrinha. Segundo especialistas, o impacto da geada é certo, só não é possível ainda mensurar a intensidade dos estragos.

De acordo com a estação meteorológica da Uniderp/Anhanguera, em Dourados os termômetros atingiram 0,7°C, com sensação térmica de -4° C, às 6h da manhã de ontem. Em Rio Brilhante, a temperatura chegou a 0,6° C.Amambai, Paranhos e Tacuru registraram -1° C, com sensação de -6° C. Segundo o meteorologista Natálio Abrão, a temperatura deve subir gradativamente até sexta-feira, dia 1 de julho, mas a mínima não vai ir além dos 10 °C.

A permanência do frio preocupa os produtores rurais já que este primeiro dia ele trouxe a geada, que teve impacto direto nas lavouras. A geada chegou mais forte nas lavouras que fazem fronteira com o Paraguai, algumas já registram prejuízos. “Essa primeira geada abre espaço para as outras, se for só ela tem impacto, mas ainda é possível contornar. O mais importante é não gear forte essa madrugada [hoje] como está previsto, se não as perdas vão ser grandes”, afirmou Ângelo Ximenes, presidente do GPP (Grupo Plantio na Palha).

Ainda não é possível fazer uma estimativa do quanto foi perdido com esta primeira geada. A Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul) está desde ontem realizando um levantamento, para saber a dimensão dos prejuízos às lavouras do Estado. De acordo com análise feita pelo Sistema Clima/MS da Embrapa Agropecuária Oeste, 24% das geadas que atingem as lavouras de milho na região de Dourados, acontecem no mês de junho.

A análise foi feita com base no histórico de geadas que já ocorreram na região em anos anteriores. No entanto, esta não é o mês com maior frequência, já que o fenômeno tem 50% de chances de ocorrer em julho. O mês de agosto concentra 13% da probabilidade de gear. Já ocorreram geadas em setembro e maio, mas são raras. Há indicativo de geada, quando a temperatura chega a ficar abaixo de 4° C.

A previsão para hoje é de geada novamente. Segundo o Cptec/Inpe (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial), a mínima deve atingir 1º C e máxima não deve passar de 17º C, o dia deve ser de céu claro. A chuva pode chegar somente amanhã, as chances são de 90% de acordo com o instituto. A previsão é de que permaneça chovendo com intensidade até sábado. A chuva é boa para as lavouras que foram plantadas fora do prazo estipulado pelo zoneamento agrícola.

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), dos 94 mil hectares plantados em Dourados, 45 mil estão fora do zoneamento. Cenário que se repete em grande parte de Mato Grosso do Sul. As lavouras de milho que estão nessa situação são as que mais preocupam, porque ficaram por mais tempo expostas à estiagem que ocorreu por todo o mês de maio e início de junho deste ano. Por conta da seca, a estimativa é de que haja, pelo menos, 10% de perdas nas lavouras.