Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 17 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Ari Basso vai à manifestação de servidores, ouve reivindicações e promete solução

Joaquim Thiago da Rocha reclama que há 5 meses não recebe as horas trabalhadas. Ao todo, em suas contas, tem de haver com a prefeitura cerca de R$ 2 mil e não recebe.

Marcos Tomé/Região News

05 de Agosto de 2013 - 10:39

O prefeito de Sidrolândia, Ari Basso (PSDB) foi pessoalmente à manifestação dos servidores públicos da Secretaria de Infraestrutura e Obras na manhã desta segunda-feira. Um grupo de aproximadamente 40 trabalhadores fechou o portão principal de acesso ao pátio, cruzaram os braços e reivindicaram o pagamento das horas-extras.

Joaquim Thiago da Rocha reclama que há 5 meses não recebe as horas trabalhadas. Ao todo, em suas contas, tem de haver com a prefeitura cerca de R$ 2 mil e não recebe. “Eles mandam agente trabalhar, afirmaram que iram pagar as horas (duas por dia) e no final do mês é a mesma novela. Nunca pagam”, reclama.

Há casos em que o servidor, que deveria desempenhar a função de lubrificador, esta na verdade em outra função, a de operador de maquina. Para desempenhar o serviço designado o trabalhador acaba negociando com o secretário, ajuste salarial em forma de hora-extra. Eles reclamam que este acordo não vem sendo cumprido pela administração.

Basso chegou por volta das 8h acompanhado do chefe do setor de Recursos Humanos (RH) da prefeitura, David Maia de Deus. Com ele, um relatório dos pagamentos efetuados aos servidores. Ari Basso afirmou desconhecer a situação, mas, que o caso seria solucionado com a maior brevidade possível. “Preciso de vocês”, disse o prefeito e fez um compromisso, “iremos analisar todos os casos e resolver o problema”.

Para o prefeito o caso não passou de um mal entendido. Em sua avaliação, faltou dialogo entre seu gabinete e os servidores. “Foi bom que isso ocorreu. Assim, iremos ouvi-los pra termos uma noção mais real da situação”, justifica. Basso reconhece que houve falha de comunicação e vai discutir com a classe, através de uma comissão que será formada, todos os problemas relacionados às reivindicações, inclusive o aumento salarial. Esta reunião ficou agendada inicialmente para amanhã terça-feira em seu gabinete.